Página Inicial arrow Proteção e Segurança arrow Quando um não quer dois não brigam
Terça-feira - 23 de Julho de 2019

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase5.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Conecte-se ao Facebook!
Siga-nos no Twitter!

Nossos Parceiros

Good Clean
Pro Security
Condomínio em Foco
Grupo Titanium
Avitran
Grupo GP
FL Terceirização
Wall Service
Grupo Vip
Seguridade
Full
QAP Segurança
Protecães
Comunicação Juridica
Método Lordello de Treinamento em Segurança
ATS Terceirização
Associação Nacional de Agentes de Segurança
NR Service
Crimes & Acidentes
Terras de Gênova
Porto Service
JSEG Vigilância
Lordello Consultoria
ASC Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Top Clean
Grupo Padrão
Leão Serviços
Life Condomínios
Méthodo Gestão Educacional

Quem está On-line

Nós temos 1 visitante online
Quando um não quer dois não brigam Email

No Brasil, inúmeros homicídios, brigas e agressões verbais ocorrem, diariamente, entre pessoas honestas e trabalhadoras, que, na maioria das vezes, sequer se conheciam. É o que apelidei de "desentendimento ocasional", que, em alguns casos, pode ocasionar até a morte de uma das partes. Para o leitor ter uma noção do problema que estou levantando, somente no estado de São Paulo ocorrem, diariamente, cerca de 400 brigas de trânsito entre condutores.  Algumas dessas confusões terminam com mortes estúpidas, totalmente desnecessárias. Gostaria de trazer à baila dois casos recentes, que foram largamente noticiados pela mídia. O empresário Dácio foi com sua irmã a uma padaria no bairro de Santa Cecília/SP. A jovem alega que dias antes havia sido destratada por funcionário de tal estabelecimento. A intenção dos irmãos era saber qual providências a padaria havia tomado com relação ao episódio, ou seja, se haviam demitido o funcionário. O desfecho foi trágico e terminou com a morte do jovem Dácio, que recebeu uma facada, desferida pelo funcionário em questão. O acusado se apresentou à polícia e alegou que agiu em legítima defesa. Outro fato que me chamou a atenção, foi a confusão em que se envolveu o ex-pugilista Maguila, ao tentar entrar com seu veículo no Parque Ecológico do Tietê por um portão de acesso restrito. Três seguranças e Maguila entraram em vias de fato. Na delegacia, os funcionários do parque alegaram que o ex-pugilista iniciou a briga e para se defender eles pegaram um facão. Já Maguila, imputa a eles o início da confusão. Neste momento uma pergunta se faz presente: "Os entreveros narrados poderiam ter sido evitados"? A resposta é SIM. Após presidir centenas de inquéritos policiais versando sobre brigas e até mortes, muitas ocorridas no trânsito, em estacionamentos de shoppings, de lojas, em casas noturnas e, acreditem, em festas familiares, me vem à mente o antigo jargão popular que diz: "Quando um não quer dois não brigam". Na grande maioria dos casos os problemas poderiam ter sido evitados, se pelo menos uma das partes tivesse pedido desculpas, mesmo estando com toda razão. Quando utilizamos nossa principal arma, que é a proatividade, minimizamos riscos a quase zero. Ser proativo é tomar uma atitude antes que aconteça o pior. Costumo dizer, que ao nos depararmos com uma confusão, podemos jogar água ou gasolina no problema. Se os envolvidos decidirem pela gasolina, com certeza o bate boca poderá redundar em assassinato. No entanto, se pelo menos uma das partes usar água, ou seja, achar melhor levar o "desaforo para casa", com certeza o clima ficará mais ameno, os ânimos se acalmarão, a contenda terminará e cada um dos envolvidos seguirá sua vida naturalmente, sem precisar ir ao Distrito Policial ou Necrotério. 

 

Dr. Jorge Lordello

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement