Página Inicial arrow Evitando Acidentes arrow Bom motivo para dirigir e não beber
Quarta-feira - 22 de Janeiro de 2020

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase2.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Visite nosso canal no Youtube!
Conecte-se ao Facebook!

Nossos Parceiros

Método Lordello de Treinamento em Segurança
Avitran
Good Clean
Crimes & Acidentes
QAP Segurança
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Protecães
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Grupo Titanium
Grupo GP
ATS Terceirização
Wall Service
Leão Serviços
NR Service
ASC Service
Grupo Padrão
Grupo Vip
JSEG Vigilância
Life Condomínios
Porto Service
FL Terceirização
Comunicação Juridica
Lordello Consultoria
Full
Seguridade
Condomínio em Foco
Méthodo Gestão Educacional
Pro Security
Top Clean
Terras de Gênova

Quem está On-line

Nós temos 1 visitante online
Bom motivo para dirigir e não beber Email
Você tem o hábito de dirigir após ingerir bebida alcoólica? Se a resposta for negativa você está de parabéns, não precisa continuar a ler esta matéria, mas pode enviá-la de presente a um conhecido que insiste em dirigir alcoolizado. Mas se você é daquelas pessoas imprudentes que pensam que a bebida alcoólica não interfere na direção de veiculo automotor, peço encarecidamente que leia com atenção a estória abaixo e reflita sobre o assunto:

Apressada, entrei em um shopping center para comprar alguns presentes para o Natal. Resolvi entrar numa loja de brinquedos e logo fui para a seção de bonecas. Em uma esquina encontrei um menino de aproximadamente 5 anos segurando uma boneca bem cara. Estava tocando seus cabelos e a segurava com muito carinho. Não me pude conter; fiquei olhando para ele fixamente e perguntava-me para quem seria a boneca que ele agarrada com tanto apreço, quando dele se aproximou uma mulher que ele chamou de tia. O menino lhe perguntou: "Posso levar a boneca?". E a mulher lhe falou com um tom impaciente: "Você sabe que não tenho dinheiro suficiente para comprá-la". A mulher disse ao menino que permanecesse onde estava enquanto ela buscava outras coisas que lhe faltavam. O menino continuou segurando a boneca. Depois de um tempo, me aproximei e perguntei para quem era a boneca. Ele respondeu: "Esta é a boneca que minha irmãzinha tanto queria ganhar no Natal. Ela estava certa de que Papai Noel iria trazê-la". Então eu falei ao menino que o Papai Noel a traria, mas ele me disse com os olhos rasos dágua: "Não, Papai Noel não pode ir onde minha irmãzinha está. Eu tenho que entregá-la à minha mãe para que ela leve até a minha irmãzinha". Então eu lhe perguntei onde estava a sua irmã. O menino, com uma feição triste, falou: "Ela se foi com Jesus. Meu pai me disse que a mamãe irá encontrar-se com ela". Meu coração quase parou de bater. Voltei a olhar para o menino. Ele continuou: "Pedi ao papai para falar para a mamãe para que ela não se vá ainda. Para pedir-lhe para esperar até que eu volte do shopping". O menino me perguntou se eu gostaria de ver a sua foto e respondi-lhe que adoraria. Então, ele tirou do seu bolso algumas fotografias que tinham sido tiradas em frente ao shopping e me disse: "Vou pedir para o papai levar estas fotos para que a minha mãe nunca se esqueça de mim. Gosto muito da minha mãe, não queria que ela partisse. Mas o papai disse que ela tem que ir encontrar a minha irmãzinha". Me dei conta de que o menino havia baixado a cabeça e ficado muito calado. Enquanto ele não olhava, coloquei a mão na minha carteira e retirei algumas notas e dei ao garoto. O dinheiro agora era suficiente para pagar a boneca. O menino, em uma voz suave, comentou: "Graças a Jesus por dar-me dinheiro suficiente". Ele falou ainda: "Eu acabei de pedir a Jesus que me desse dinheiro suficiente para que eu pudesse comprar esta boneca para a mamãe levar até a minha irmãzinha. E Ele ouviu a minha oração. Eu queria pedir-lhe dinheiro suficiente para comprar uma rosa branca para a minha mãe também, mas não o fiz, pois achei que estaria abusando de sua bondade. Mas Ele acaba de me dar o bastante para a boneca da minha irmãzinha e para a rosa da minha mãe. Ela gosta muito de rosas brancas...". Em alguns minutos a sua tia voltou e eu, despercebidamente, fui embora. Enquanto terminava as minhas compras, não conseguia deixar de lembrar daquele menino. Segui pensando em uma matéria que havia lido dias antes num jornal, a respeito de um acidente, causado por um condutor alcoolizado, no qual uma menininha falecera e sua mãe ficara em estado grave. A família estava discutindo se deveria ou não manter a mulher com vida artificial. Logo me dei conta de que aquele menino pertencia a essa família. Dois dias mais tarde li no jornal que a mulher do acidente havia sido removida das máquinas que a mantinham viva e morrido. Não conseguia tirar o menino da minha mente. Mais tarde, comprei um buquê de rosas brancas e as levei ao funeral onde estava o corpo da mulher. E ali estava; a mulher do jornal, com uma rosa branca em uma de suas mãos, uma linda boneca na outra, e a foto de seu filho no shopping. Eu chorava e chorava... Minha vida havia mudado para sempre. O amor daquele menino pela sua mãe e irmã era enorme. Em um segundo, um condutor alcoolizado havia destroçado a vida daquela criança.


Se você gostou desta narrativa não perca a oportunidade de enviá-la para as pessoas que gosta e principalmente para conhecidos que insistem em dirigir após ingerir bebida alcoólica.

O verdadeiro cidadão age em prol da comunidade.

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement