Página Inicial arrow Evitando Acidentes arrow Como trafegar em segurança numa via expressa?
Quinta-feira - 13 de Agosto de 2020

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase3.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Visite nosso canal no Youtube!
Siga-nos no Twitter!

Nossos Parceiros

QAP Segurança
Seguridade
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Protecães
NR Service
FL Terceirização
Leão Serviços
Grupo Padrão
Top Clean
JSEG Vigilância
ASC Service
Grupo Vip
Méthodo Gestão Educacional
Condomínio em Foco
Terras de Gênova
Crimes & Acidentes
Good Clean
Wall Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Avitran
Grupo Titanium
Pro Security
Lordello Consultoria
Life Condomínios
ATS Terceirização
Grupo GP
Porto Service
Full
Comunicação Juridica

Quem está On-line

Nós temos 1 visitante online
Como trafegar em segurança numa via expressa? Email
Se perguntarmos ao motorista qual a sua preferência a respeito do tipo de via em que preferem dirigir, a opinião quase unânime será de que é melhor dirigir em via expressa. Como trafegar em segurança numa via expressa? Se perguntarmos o motivo de tal preferência a resposta variará, porém os motivos mais freqüentes serão: falta se semáforos, possibilidade de trafegar sem necessitar parar e sair constantemente, podendo desenvolver maior velocidade, fazendo o percurso em menor tempo, ausência quase total de cruzamentos, ausência de locais para travessia de pedestres e alguns outros, porém todos eles voltados para a facilidade de trafegar com maior velocidade.

Realmente em nossos dias vivemos com falta de tempo ou até, nem temos tempo para viver, então, não podemos desprezar qualquer possibilidade de economizarmos tempo. Buscamos esta economia a todo o momento, porém é no volante que imaginamos ser possível descontar o tempo perdido em qualquer outra atividade e até ganharmos tempo por conte de algumas coisas que faremos após termos parado de dirigir. Por este motivo é que nas vias expressas, os motoristas empreendem grande velocidade em seus veículos, fazendo até com que o veículo se desgaste prematuramente, consuma maior quantidade de combustível e colocam-se em risco de se envolver em acidentes graves.

É claro para qualquer motorista que nas vias expressas acontecem menos acidentes que nas vias urbanas, isto se explica pela quase total ausência de cruzamentos, pela ausência de semáforos, pelos traçados modernos dessas vias.

Se nas vias expressas acontecem menos acidentes, podemos afirmar que são as vias urbanas, as ruas, locais de maior perigo para se trafegar?

Podemos se quisermos nos basear apenas na quantidade de acidentes que aconteçam nos dois tipos de vias, porém, se quisermos tomar por base a proporção de vítimas feridas ou mortas por acidente, vamos verificar que as vias expressas são muito mais perigosas. Qual será a explicação para esta situação, uma pista onde menos acidentes acontecem ter possibilitando mais acidentes mais acidentes com vítimas?

A explicação é simples, devido às características da pista, que possibilita ao motorista desenvolver maior velocidade em seu veículo, (a força do impacto de um objeto contra o outro aumenta em razão do aumento da velocidade relativa que é desenvolvida por estes corpos), e nas vias expressas se pode desenvolver maior velocidade, claro que em acontecendo um acidente, fatalmente as conseqüências serão maiores que numa pista de trânsito urbano, onde as velocidades desenvolvidas são menores.

Para deixarmos bem clara e comprovada tal dedução, vamos tomar por base a estatística elaborada pela Companhia de Engenharia de Tráfego da Secretária Municipal de Transportes de São Paulo, a respeito dos acidentes de trânsito com vítimas.
Vejamos:

Horário em que acontece maior número de acidentes de trânsito com vítimas:
  • entre as 22:00 e 24:00 horas (11,8%)

Dias da semana em que acontecem maior número de acidentes de trânsito:
  • Sábado (20,9%)
  • Domingo (19,1%)
  • Sexta-feira (14,1%)
  • Somando um total de 54,1% dos acidentes de trânsito com vítimas durante a semana


A explicação para que numa cidade extremamente movimentada no aspecto de trânsito o maior número de acidentes de trânsito com vítimas nos dias e horários em que o volume de trânsito é menor, só pode estar no fato de que devido ao menor volume de trânsito, os motoristas desenvolvem maior velocidade, aumentando assim as possibilidades de que alguém seja ferido em casos de acidente, o que realmente vem ocorrendo conforme comprova a estatística.

Uma vez que sabemos que a velocidade influi diretamente na gravidade do acidente e sabendo que necessitamos andar em maior velocidade nas vias expressas até mesmo por questão de segurança, já que temos que acompanhar os demais veículos, o que nos resta fazer é conhecer algumas regras básicas de segurança para transitarmos nestas vias sem expormos nossas vidas e nosso patrimônio a risco.


» Como trafegar em segurança numa via expressa

Antes de sair para uma via expressa, principalmente se for para um longo percurso, o motorista deverá ter as seguintes preocupações:

  1. Estar descansado (ter dormido no mínimo oito horas);
  2. Condições psicológicas normais;
  3. Itinerários pré determinado: tudo isso para poder ter reflexos e reações de acordo com os imprevistos que apareçam.
  4. Condições do veículo: o mesmo deverá estar em condições de boa manutenção, tais como: pneus, amortecedores, freios, etc., devendo ser feita uma manutenção preventiva, verificando: calibragem dos pneus (inclusive estepe), reservatório do fluído de freio, água de bateria e do radiador, nível de óleo do motor, etc., para evitar dissabores no percurso.
  5. Maior atenção as regras de direção defensiva
    1. ATENÇÃO: redobrada se sua velocidade é mais elevada: maior é a possibilidade de ferimentos em caso de acidente;
    2. CONHECIMENTOS: procure conhecer a legislação de tr6ansito e também os hábitos dos motoristas daquela região onde se encontrar.
    3. PREVISÃO: saiba com antecedência o ponto em que você saíra da via expressa e se posicione de tal modo que os demais motoristas também fiquem sabendo qual a sua intenção.
    4. DISCERNIMENTO: saiba como distinguir uma situação normal de uma que possa lhe oferecer perigos.
    5. HABILIDADE: procure constantemente aprimorar seus conhecimentos e suas habilidades, pois deste aprimoramento pode depender sua vida ou a de seus familiares, não beba antes de dirigir, pois a bebida altera seus reflexos, torna o motorista lento e impede que faça uso de sua total habilidade.
  6. Se for trafegar em via desconhecida: observe o guia mapa rodoviário e saiba de antemão de qual saída deverá se servira anotando até, se for o caso, o quilometro ou o nome da saída anterior, para a partir dela começar a procurar a sua saída.
  7. Nunca de marcha a ré na pista: de você por alguma razão, perdeu sua saída, não freie o veículo bruscamente e, nem mesmo pelo acostamento de marcha a ré, prossiga em frente e faça o retorno, porque apesar de mais demorado e dispendioso a primeira vista, este procedimento poderá salvar-lhe a vida;
  8. Distância de Segurança: dirija sempre preocupado com a distância de segurança, isto lhe poupará o dissabor de envolver-se em um engavetamento, não se esqueça da regra dos dois segundos;
  9. Cuidado com o veículo de trás: assim como no trânsito urbano, o veículo de trás representa perigo para você, avise-o de suas intenções, sinalize suas manobras e evite freadas bruscas, um acidente nestas condições pode ser gravíssimo;
  10. Observações: Observe o trânsito à sua frente, dois ou três carros ao seu lado ou a sua retaguarda;
  11. Cuidado com os cruzamentos: Exatamente! Cuidado com os cruzamentos, pois apesar de disfarçados em bifurcações e entroncamentos, os cruzamentos estão presentes nas vias expressas e rodovias e, tanto como no trânsito urbano são locais de risco de acidentes, com a diferença que nas vias expressas e rodovias, acontece com maior gravidade, portanto, realize suas manobras, fique atento as manobras dos outros motoristas, assim como às suas sinalizações e, sempre que possível próximo dos cruzamentos evite a pista da direita, á menos que você vá se utilizar do cruzamento.
  12. Como entrar na via expressa: Ao se aproximar de uma via expressa você estará se servindo de uma pista de aceleração, verifique pelo espelho e através de movimentos de cabeça, se há condições de entrar na via, sinalize, não pare, ao contrário, sirva-se da pista de aceleração para poder igualar a velocidade de seu veículo à dos que já estão na pista, para só depois disso, entrar no fluxo de trânsito;
  13. Como sair da via expressa: Ao se aproximar da saída da qual pretende se utilizar busque a pista lateral, a de desaceleração, diminua a velocidade até que esteja trafegando com velocidade compatível a estabelecida para o local.
  14. Use a pista correta: Na pista única, trafegue sempre pela pista da direita, a menos que seja para uma ultrapassagem, mesmo assim obedecendo a sinalização e com a devida segurança, em pista múltipla, devem trafegar pela pista da direita os veículos mais lentos e na da esquerda os de maior velocidade;
  15. Ritmo: Não tente trafegar em velocidade muito diferente da dos demais veículos, se você estiver devagar demais poderá ser atingido pelos demais veículos de trás, se estiver muito rápido, será obrigado à redução de velocidade constantemente, freadas bruscas e mudanças de faixa, o que sem dúvida incomoda os outros motoristas e o deixa em constantes riscos.
  16. Cuidado com a chuva: Sob a ação da chuva, cuidado redobrado, principalmente no início da chuva, pois muitos motoristas não se apercebem da mudança das condições da pista e continuam trafegando na mesma velocidade que estavam antes da chuva, colocando-se em risco de desgovernar seus veículos por ação da aquaplanagem em ocasião da frenagem.
  17. Cuidado ao parar: Se você necessitar parar numa via expressa, procure o acostamento, sempre sinalizando suas intenções coloque o seu veículo o mais distante possível da pista de rolamento, ligue suas luzes indicadoras de parada de emergência (pisca-alerta), acendendo as lanternas, principalmente se for à noite, ou sob chuva ou nevoeiro, retire os ocupantes e afaste-os o máximo possível para que fiquem em segurança, utilize o triângulo de segurança, se o local for após uma curva, procure sinalizar antes dela, seja por dispositivos luminosos, por placas ou por galhos de mato;
  18. Cuidado com a velocidade: A velocidade exige como o seu aumento que você enxergue mais longe e melhor. Conforme a velocidade aumenta, ela restringe o seu campo de visão. Vejamos: a sua visão periférica é de aproximadamente 200º (duzentos graus) quando parado, entretanto se você estiver deslocando-se a uma velocidade de 40Km/h sua visão reduzirá para 100º (cem graus), e se a velocidade for de 110km/h sua visão será de 40º (quarenta graus), ou seja: você estará enxergando apenas uma faixa estreita à sua frente e distante, podendo de repente surgir algum veículo ou pedestre em seu caminho pelos lados e você só percebê-lo quando for tarde demais.
  19. Hipnose de estrada: Ocorre em virtude de o motorista fazer longos percursos, sem fazer paradas regulares, em virtude da topografia excessivamente regular da pista. Exemplo: retão da Castelo Branco (a constância de uma mesma paisagem numa mesma velocidade, pode tornar o comportamento habitual, nocivo, fazendo com isso que haja excesso de confiança e com isso naturalmente o desinteresse e falta de atenção começa a preponderar, ocorre também com a hipnose uma reação visual maior a ponto de ocorrerem ilusões de ótica, podendo com isso se envolver em graves acidentes. Para se evitar este fenômeno deve-se fazer paradas regulares (a cada 2 horas) e procurar variar a velocidade.
  20. Visão em profundidade: É a capacidade de percepção através da visão de tudo aquilo que lhe cerca, objetos, animais, pessoas, outros veículos inertes ou em movimentos podendo, após avaliar a situação, tomar a medida de segurança mais apropriada para a ocasião. A falta dessa avaliação sobre um perigo iminente já contribui em muito para que ocorressem acidentes que seriam naturalmente previsíveis e, portanto evitáveis. Basta lembrar que vários são os processos no TJM em que nossos motoristas respondem por crime de lesão corporal e homicídio culposo pela imprudência em função de não ter previsto o sinistro iminente.
  21. Velocidade compatível:
    1. Com o tipo de pista: - Os veículos em velocidade, comportam-se de maneiras diferentes em pavimentos diferentes (cascalho, asfalto, terra, areia, paralelepípedo, etc).
    2. Com situação climática: Ninguém poderá discordar que o nível de segurança é maior quando dirigimos um veículo em uma pista seca do que em uma pista molhada pela chuva. As condições climáticas, influem diretamente sobre o campo de visibilidade, bem como na aderência do pneu com o tipo de pavimento.
    3. Com a situação profissional: - É natural que a velocidade de um veículo seja maior ou menor, dependendo a tarefa a ser cumprida pela guarnição de serviço: em patrulhamento a viatura deverá trafegar na mesma velocidade dos demais veículos que se utilizam da pista, obedecendo às velocidades limites para cada faixa. Por outro lado, é certo também que, numa situação emergencial o motorista deve estar capacitado a imprimir maior velocidade à viatura, utilizando inclusive os sinais sonoros e luminosos de advertência (giroflex, sirene, farol, etc). Qual é a velocidade apropriada para tal situação? A resposta não deve ser baseada no número que aponta o velocímetro do veículo, mas no bom senso profissional e de segurança que o motorista deve ter para que não coloque em risco a integridade física dos demais componentes da guarnição e de outras pessoas (pedestres, em outros veículos, etc). É fundamental que o motorista tenha em mente a seguinte frase: “A viatura tem prioridade na utilização da via, mas não tem exclusividade sobre a mesma”
  22. A saúde do motorista: Todas as ações dos reflexos do bom motorista estão também intimamente ligadas à sua condição física (SAÚDE). O motorista não deve ser utilizado para dirigir uma viatura quando estiver sentindo dores ou quando não dormiu o suficiente para recompor a sua necessidade física. Devemos evitar também, que o motorista seja vítima da chamada hipnose de estrada (trechos muito monótonos de algumas vias, por exemplo o “retão da Rodovia Castelo Branco”).

OBS.: Em qualquer situação (altas ou baixas velocidades, trafegando em vias expressas ou urbanas) observe sempre as regras de direção defensiva. Dirigindo para si e pelos outros estará contribuindo para diminuir o número de acidentes.

Polícia Militar do Estado de São Paulo

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement