Domingo - 12 de Julho de 2020

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase6.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Siga-nos no Twitter!
Visite nosso canal no Youtube!

Nossos Parceiros

ASC Service
Pro Security
Full
NR Service
Good Clean
Wall Service
Crimes & Acidentes
Protecães
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Seguridade
Grupo Titanium
Grupo Padrão
Grupo GP
JSEG Vigilância
Grupo Vip
Life Condomínios
Comunicação Juridica
Leão Serviços
Top Clean
Avitran
Méthodo Gestão Educacional
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Porto Service
FL Terceirização
ATS Terceirização
Lordello Consultoria
Condomínio em Foco
Terras de Gênova
QAP Segurança

Quem está On-line

Horários preferidos pelos marginais Email
Fiquei indignado e revoltado com uma matéria que li em 2001, em um tablóide específico sobre segurança que passo a transcrever ao leitor: "Para dar uma resposta á Organização das Nações Unidas (ONU) em relação às denúncias de violação de direitos humanos, o governo federal deseja decretar o fim do uso de algemas em presos. O ministro da justiça, Jose Gregori, afirmou que elas são consideradas instrumentos violentos e, por isso, devem ser utilizadas apenas nos casos de resistência á prisão ou em condenados de alta periculosidade, visando à proteção do policial. Após anunciar a intenção do governo, Gregori informou que pretende convocar representantes da ONU para fazer nova análise sobre a violência policial no Brasil. A notícia do fim do uso de algemas (ainda sem data para ocorrer) causou preocupação entre os policiais de são Paulo. Para eles, é praticamente impossível imobilizar um criminoso sem o uso de algemas".

A segurança pública em nosso país vem sendo gerenciada por homens de gabinete, que pouco conhecem a realidade da periferia das grandes cidades. Muito dinheiro vem sendo gasto desordenadamente e os resultados apresentados são extremamente insatisfatórios e pífios.

Os índices de violência não me deixam mentir. É por esse motivo que resolvi fazer um estudo aprofundado do modus operandi do criminoso, para ensinar as pessoas técnicas, regras e dicas de conduta preventiva com o intuito de diminuir sensivelmente o risco de se tornar vitima da criminalidade.

Horários preferidos pelos marginais A Unesco e várias Secretarias de Segurança Pública forneceram uma gama de dados sobre os horários e locais onde mais ocorrem crimes nas cidades. O suplemento de segurança da revista Veja/2001 noticiou essas informações que você deve analisar e tirar suas conclusões:
- 5 horas da manhã: antes que o transito torne mais difícil à fuga, muitos ladrões de veículos aproveitam esse horário em que as vitimas se encontram em sono profundo para subtrair o veículo.

- 6 horas: o perigo se encontra nos ônibus lotados. É o momento de entrar em ação os batedores de carteiras.

- 7 horas: todo cuidado é pouco na hora de sair de casa. As vítimas, ainda sonolentas ficam mais vulneráveis ao deixar o lar.

- 8 horas: a partir desse horário crescem os casos de furtos. Segundo a polícia militar, o movimento do comércio facilita o "trabalho"dos ladrões de ruas.

- 10 horas: Os bancos tornam-se mais visados quando abrem as portas. Cerca de 80 % dos assaltos acontecem no horário do expediente, especialmente em dias de pagamento.

- 13 horas: no horário de maior movimento do comércio, entre as 13 e as 17 horas, os furtos são mais freqüentes. Um quarto das ocorrências policiais se dá á tarde.

- 18 horas: atenção para o período crítico em relação a roubos e furtos de autos. Mais da metade dos casos acontece entre as 18 horas a meia noite.

- 19 horas: das 19 às 23h30 são comuns os assaltos a motoristas nas esquinas. O trânsito intenso facilita o roubo, deixando as vítimas indefesas.

- 20 horas: No período das 20 horas até a meia noite, quando as ruas estão bem mais desertas, ocorrem mais de 50% dos roubos em caixas eletrônicos.

- 21 horas: Os assaltos a ônibus nas cidades costumam acontecer, nos horários de menor movimento. Mais de um terço dos casos ocorre entre 20 e 23h.

- 22 horas: cerca de 50% dos seqüestros relâmpagos acontecem entre 18 e a meia noite. Os bandidos preferem os momentos de trânsito livre. É mais fácil circular com a vítima.

- Meia Noite: A partir desse horário o número de roubos diminui. O perigo maior é para quem volta tarde pra casa.

- 1 hora: horário mais perigoso para quem vive na periferia. Quase metade dos homicídios ocorre dentro ou nas proximidades dos bares no inicio da madrugada.


Portanto, fique de olho no relógio e tome cuidado.

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >