Página Inicial arrow Prédios e Condomínios arrow Condomínios: como minimizar os boatos e acusações infundadas de moradores
Sábado - 21 de Maio de 2022

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase6.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Siga-nos no Twitter!
Visite nosso canal no Youtube!

Nossos Parceiros

Grupo Vip
NR Service
Full
Avitran
Leão Serviços
ASC Service
Porto Service
Wall Service
QAP Segurança
Grupo Padrão
Protecães
JSEG Vigilância
Seguridade
FL Terceirização
Pro Security
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Life Condomínios
Top Clean
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Grupo Titanium
Comunicação Juridica
Crimes & Acidentes
Terras de Gênova
Condomínio em Foco
Método Lordello de Treinamento em Segurança
ATS Terceirização
Grupo GP
Méthodo Gestão Educacional
Good Clean
Lordello Consultoria

Quem está On-line

Condomínios: como minimizar os boatos e acusações infundadas de moradores Email

 

Será que todas as reclamações de moradores em relação a segurança do condomínio são construtivas e verídicas?

Minha experiência de mais de 15 anos realizando palestras em prédios, diz que a resposta definitivamente é “não”.

E as acusações contra os síndicos e administradores no tocante a improbidade quanto ao dinheiro arrecadado através da taxa condominial, são verdadeiras ou meramente suposições ou ilações sem provas?

As calúnias, comuns nos corredores dos edifícios,  visam atacar a imagem e idoneidade do ordenador de despesas, muitas vezes, sem qualquer indício que possa embasar uma eventual apuração.

Mas qual o motivo de tanta intriga?

 

Costumo comparar condomínios horizontais e verticais com pequenas cidades do interior. O síndico representa o papel do prefeito, o qual foi eleito por votação dos moradores, em assembleia geral. Quando se tem grupo de oposição e situação disputando, é claro que as fofocas e malidiscências farão parte, não só durante o pleito eleitoral, mas também depois de eleito o novo administrador, pois os vencidos, raramente, se dão por vencidos.

Para apimentar ainda mais essa fogueira de comentários maldosos, temos os moradores que passam a maior parte do tempo no prédio. Não raro, a solidão e a falta de ambiente no próprio lar, faz com circulem por todo o espaço de uso comum em busca de bate-papo, atenção e amizades. Esse contato, geralmente, é feito com os empregados do prédio(porteiros, zelador e ajudantes de limpeza) domésticos e moradores de outras unidades. Assim como na cidade pequenina, é natural que um passe a cuidar da vida do outro e vice versa.

Essa desarmonia pode gerar discussões, ofensas morais, bate-boca acalorado, agressões físicas e até mortes.

A intenção deste artigo, é saber se existe estratégia eficaz para minimizar esses problemas.

Felizmente, a resposta é positiva.

É preciso entender, inicialmente, que é preciso enfrentar o problema de frente e não empurrar com a barrigaNão se pode permitir que as conversas maldosas perdurem, pois assim só aumentarão, trazendo desarmonia ao ambiente residencial.

Mas como fazer para frear o ímpeto do morador que faz acusações levianas?

Independente se a crítica é construtiva ou destrutiva, o importante é ocorrer a formalização da reclamação, pois só assim a administração poderá ter noção do problema e averiguar a procedência ou não.

“O QUE NÃO ESTÁ NOS AUTOS, NÃO ESTÁ NO MUNDO”

“Quod non est in actis non est in mundo”

Trata-se de velho brocardo que vem do Direito Romano e que é adotado nos Judiciários de Estados democráticos.

 “Mundo”, nesse axioma jurídico tem o sentido de verdade real. 

Portanto, o primeiro passo a fazer, é circular a informação, através de boletins constantes, que os moradores devem formalizar queixas, reclamações e até sugestões no chamado Livro de Ocorrências Gerais, para que a administração possa analisá-las e emitir parecer favorável ou não quanto ao pleito. Para aqueles que preferem discrição, deve o síndico disponibilizar e- mail para que o registro de sua pretensão seja feito por meio eletrônico. Pondero que até via WhatsApp o administrador deva receber os reclamos. Quando os apontamentos vierem por outros meios que não seja o Livro de Ocorrências Gerais, indico que o síndico formalize a queixa apresentada em livro próprio, mantendo sigilo do que foi aventado.

O segundo passo, é analisar a solicitação feita pelo morador e verificar se é procedente. Vamos supor que o condômino constatou que um entregador de pizza entrou no edifício e fez uso do elevador, o que é proibido na maioria dos edifícios. Caberá ao administrador iniciar investigação para saber o que realmente aconteceu. É por esse motivo que o reclamante deverá sempre fornecer o maior número de dados, principalmente dia e hora do sinistro ou problema ocorrido. Se porventura o síndico descobrir que realmente o porteiro descumpriu ordem e deixou entregador levar pizza diretamente no apartamento de um morador, deve repreendê-lo na forma constante no regimento interno, punição que deverá sofrer também o condômino que fez o pedido irregular ao funcionário da guarita.

O próximo passo, é comunicar o reclamante da apuração realizada e das medidas que foram tomadas.

Com esse estratégia, se coloca tudo em “pratos limpos”, estabelecendo, de forma profissional, a ordem, harmonia e boa convivência entre todos.

Vamos supor que durante reunião ou assembleia, um dos moradores peça a palavra e faça algum tipo de acusação ou reclamação, seja ela de qualquer natureza.

O síndico poderá arguir a seguinte indagação:

O senhor por acaso registrou esse problema no Livro de Ocorrências Gerais do nosso prédio?

Se a resposta for negativa, o administrador deve ofertar a seguinte orientação: peço que logo que terminar esta reunião, o senhor dirija-se à portaria e registre seu reclamo, pois amanhã mesmo vou averiguar seu pedido e em breve ofertarei resposta por escrito.

Em seguida, o síndico encerra a conversa com o morador e dá continuidade à assembleia, evitando, assim, polemizar assuntos fora do contexto.

Posso garantir ao leitor, que os condomínios que adotaram essa estratégia que indico, reduziram, e muito, os problemas de relacionamento e convivência entre a administração e moradores.

E em relação aos futriqueiros de plantão, essa estratégia apresenta resultados?

Obviamente sim, e a resposta é simples: aqueles que desejam gerar intrigas e desarmonia gratuita sem embasamento legal, não arriscarão fazer o registro no Livro de Ocorrências, pois assim sua mascara cairá com facilidade.

Mentiras lançadas ao ar ganham corpo e até forma. Por outro lado, a inverdade documentada é facilmente desmascarada.

O leitor que mora em prédio, já deve ter ouvido morador fazer, de forma sorrateira, a seguinte informação:

“Eu sei que tem gente no prédio levando comissão. Por isso que a taxa condominial está o olho da cara”.

Imagine se alguém fizer a seguinte colocação ao denunciante:

“A acusação que acaba de fazer é muito grave. Acho melhor você ir agora na portaria e escrever tudo o que acaba de dizer no Livro de Ocorrências. Se quiser posso te acompanhar?”.

Leitor, será que o reclamante irá fazer o registro?

Se a acusação for infundada, mentirosa ou não tiver respaldo em provas ou indícios, com certeza mudará de assunto rapidamente.

Para finalizar, aponto o que diz o Código Penal Brasileiro sobre os seguintes crimes contra a honra:

 

Calúnia

        Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime:

        Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa.

        § 1º - Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga.

 

Difamação

        Art. 139 - Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação:

        Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa.

 

Injúria

        Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo lhe a dignidade ou o decoro:

        Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa.

 

Image 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement