Página Inicial arrow Histórias Fantásticas arrow Gente muito “esperta”, acaba recebendo o que fez por merecer
Domingo - 28 de Fevereiro de 2021

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase2.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Siga-nos no Twitter!
Conecte-se ao Facebook!

Nossos Parceiros

Leão Serviços
Full
Lordello Consultoria
ASC Service
Grupo Vip
Grupo Padrão
FL Terceirização
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Life Condomínios
Pro Security
NR Service
Condomínio em Foco
Good Clean
Grupo GP
Top Clean
Porto Service
Comunicação Juridica
Wall Service
JSEG Vigilância
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Avitran
Méthodo Gestão Educacional
Terras de Gênova
Protecães
QAP Segurança
Crimes & Acidentes
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Seguridade
ATS Terceirização
Grupo Titanium

Quem está On-line

Gente muito “esperta”, acaba recebendo o que fez por merecer Email

 

  

 

Um grupo de pessoas caminhava pela floresta. Como pagamento de promessas feitas, cada um dos participantes carregava uma grande cruz nas costas. Depois de algum tempo, todos começaram a sentir o peso da cruz.

No meio desse grupo havia uma pessoa que se julgava mais esperta que as outras. Ela percebeu que não havia ninguém liderando e que as pessoas a seu lado não estavam observando seus atos; a concentração de energia era em carregar a peça feita de madeira pesada. Então, resolveu cortar um pedaço de sua cruz para que a carga ficasse mais leve. Passado algum tempo, a cruz, mesmo diminuída, começou a pesar novamente em razão do cansaço.  

Como ela havia cortado um pedaço sem ninguém perceber e nada lhe havia acontecido, cortou mais outro tanto. Assim, cada vez que sentia o peso, cortava mais um pedaço, até que a transformou num pequeno objeto.  

Dias depois, todos chegaram à beira de um enorme precipício. Pular de um lado para o outro seria impossível. No entanto, alguém observou que o comprimento da cruz que carregavam era exatamente o mesmo que de um lado ao outro do precipício. Cada um fez sua ponte e continuaram a peregrinação.  

Mas aquela pessoa que havia resolvido diminuir o peso de sua jornada, ficou sem saber o que fazer com sua diminuta cruz, pois não tinha utilidade alguma para transpor o precipício.  

 

  

 

Caro leitor, em empresas esse procedimento não é incomum entre os colaboradores. Cada um tem sua obrigação diária, sua cruz para “carregar”. Quando um deles deixa de realizar suas tarefas, o sistema como um todo recebe o reflexo. Lá na frente, algum dia, a cobrança virá de alguma forma.

Algumas pessoas que reclamam por terem sido demitidas, podem não perceber, mas um dos motivos que devem considerar, é o fato que, em algum momento, talvez tenham deixado de carregar a devida cruz. 

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >