Página Inicial arrow Dinheiro arrow Chegadinha de banco é a bola da vez em tempos de pandemia
Quinta-feira - 21 de Outubro de 2021

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase4.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Siga-nos no Twitter!
Conecte-se ao Facebook!

Nossos Parceiros

Terras de Gênova
Crimes & Acidentes
Condomínio em Foco
Porto Service
Comunicação Juridica
NR Service
Seguridade
Good Clean
Grupo Vip
Life Condomínios
Grupo Padrão
JSEG Vigilância
Associação Nacional de Agentes de Segurança
ASC Service
Méthodo Gestão Educacional
Grupo Titanium
Lordello Consultoria
Leão Serviços
Pro Security
Avitran
Grupo GP
FL Terceirização
Full
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Top Clean
Protecães
QAP Segurança
ATS Terceirização
Wall Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!

Quem está On-line

Nós temos 1 visitante online
Chegadinha de banco é a bola da vez em tempos de pandemia Email

 

O coronavirus não mudou de uma hora para outra somente a vida das pessoas, alterou, sobremaneira, também a rotina bancária. Acredite se quiser, os bandidos tiveram que inovar para continuar a assaltar clientes de bancos. Continue lendo este artigo pois você precisa conhecer um novo modus operandi dos ladrões.

Duas grandes mudanças aconteceram nas agências bancárias em todo país:

1) Horário de atendimento reduzido

2) Em virtude do distanciamento social, restrição também do número de pessoas que podem entrar na agência bancária.

 O resultado dessas alterações são filas enormes do lado de fora dos bancos. Como poucas pessoas podem entrar ao mesmo tempo, o “trabalho” do chamado olheiro, que é um marginal que permanece dentro de agências bancárias com a finalidade de identificar clientes que sacaram dinheiro e imediatamente enviar mensagem pelo celular ao comparsa armado que está do lado de fora descrevendo as características físicas e roupas que está trajando a “próxima vítima” a ser assaltada quando colocar os pés pra fora do banco, ficou muito complicado.

Através de pesquisa criminal, descobrimos que a “saidinha de banco” se tornou praticamente inviável em tempos de pandemia. Em virtude dessa situação, os marginais inovaram e criaram a “chegadinha de banco”.

Mas como funciona essa nova modalidade criminosa?

 

Como poucos pessoas podem entrar de uma só vez nas agências, filas enormes de clientes passaram a ser cenário comum. Assim, bandidos ficam de olho nos clientes na fila, observando quem carrega celular caro e nos que aparentam estar com dinheiro em espécie para realizar depósito. Quando o cliente/vítima é identificado, imediatamente é atacado mediante força ou violência com uso de arma de fogo. Realizam rapidamente o assalto e em seguida migram para outra agência em busca de nova fila.

Portanto, indico que os leitores evitem os dias e horários de maior movimento bancário. Em alguns dias do mês, as filas são praticamente inexistentes e o movimento dentro dos bancos também é pequeno, minimizando, assim, risco de assaltos e golpes. 

 

Image 

 

Próximo >
 AdvertisementAdvertisement