Página Inicial arrow Protegendo-se das Fraudes arrow Desconfiança que funcionário cometeu crime na empresa ou lar; O que fazer? Como proceder quando se t
Domingo - 29 de Novembro de 2020

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase6.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Conecte-se ao Facebook!
Siga-nos no Twitter!

Nossos Parceiros

ASC Service
Life Condomínios
Protecães
Terras de Gênova
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Good Clean
NR Service
Grupo Titanium
QAP Segurança
Top Clean
Grupo GP
Comunicação Juridica
Porto Service
Wall Service
JSEG Vigilância
Condomínio em Foco
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Grupo Vip
Pro Security
ATS Terceirização
Avitran
Seguridade
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Leão Serviços
FL Terceirização
Crimes & Acidentes
Méthodo Gestão Educacional
Lordello Consultoria
Grupo Padrão
Full

Quem está On-line

Desconfiança que funcionário cometeu crime na empresa ou lar; O que fazer? Como proceder quando se t Email

Desconfiança que funcionário cometeu crime na empresa ou lar;

O que fazer? Como proceder quando se tem apenas suspeitas e não provas? 

 Um lenhador cujo machado havia desaparecido, suspeitou que o filho do vizinho o tivesse roubado. Ele observou a maneira de andar do jovem – exatamente como a de um ladrão! Observou as expressões do jovem – idênticas às de um ladrão! Observou a maneira de falar do jovem – igual a de um ladrão! Em resumo, todos os gestos e ações do rapaz o denunciavam claramente como culpado do roubo!

Mais tarde, andando por um vale, o homem encontrou na beira de um riacho seu machado perdido. De imediato, lembrou-se de ali o ter deixado quando tinha, dias antes, vindo para a montanha cortar lenha.

No dia seguinte, cruzando de novo com o filho do vizinho, o lenhador observou-o com redobrada atenção, mas, todos os gestos, expressões, voz e ações do jovem lhe pareceram absolutamente normais. De fato, o rapaz não se comportava de modo algum como um ladrão.

 Não julgue o que vê antes de avaliar como o vê.

É comum se chegar a conclusões açodadas quando algo desaparece da empresa ou lar. Geralmente, alguém é visto como autor, mas aí surge uma pergunta importante:

  

Quais as provas de autoria e materialidade que comprovam a suspeita?

A verdade, é que não adianta simplesmente “achar”; numa sociedade democrática é preciso provar de forma robusta e não com conclusões baseadas no chamado “achismo”.

Em uma empresa que instala aparelhos de ar condicionado, com quase 100 funcionários, a proprietária passou a perceber que alguém estava subtraindo dinheiro de sua carteira, que ficava dentro da bolsa que costumeiramente deixava em sala de trabalho, que ficava com a porta destrancada. A suspeita, de imediato, foi para a moça da limpeza.

“Vamos chamar a polícia”, disse baixinho ao sócio minoritário, que ponderou:

“Mas qual a prova que você tem que foi a Beth a autora da subtração?”

Como não havia uma evidência sequer, o sócio teve ideia inteligente:

“Vamos instalar uma micro câmera na sua sala. Mantenha a rotina de trabalho e não comente com ninguém sobre o furto do dinheiro. Somente assim teremos chance de descobrir se está certa ou equivocada”.

E assim foi feito.

Depois de 5 dias, por volta das 15h, a dona da empresa foi conferir sua carteira onde havia deixado a quantia de R$ 470,00 em notas miúdas. Para sua surpresa, faltavam R$ 150,00, ou seja, a gatuna havia entrado em ação.

Rapidamente, ela acionou o sócio, que foi verificar as imagens gravadas. Para surpresa de ambos, o responsável pelo furto era a pessoa de maior confiança deles; o gerente Carlos, o funcionário mais antigo. A decepção foi enorme, pois eles nutriam amizade muito grande para com ele e jamais poderiam desconfiar.

O advogado da empresa foi consultado e indicou que a delegacia do bairro fosse acionada. Investigadores de polícia estiveram na sede e após examinarem as imagens gravadas, solicitaram a presença do gerente Carlos na sala dos proprietários. O funcionário tentou negar o crime de furto do numerário, mas ao ver as imagens, começou a chorar, mostrando-se muito arrependido. Indagado pela patroa sobre o motivo daquela traição, ele tentou se explicar:

“Estou por demais envergonhado; a senhora sempre confiou plenamente em mim e posso garantir que sempre fui extremamente honesto e correto. Ocorre que minha filha está para se formar e perdeu emprego há 6 meses. Tentei ajudar, mas não consegui pagar as mensalidades em dia e a Faculdade não permite que formandos inadimplentes participem da festa de colação. Fiquei com o coração partido ao ver a tristeza da minha filha caçula e assim cometi esse completo desatino”.

A presente narrativa, que é verídica, vem mostrar que ao se verificar crime cometido dentro da empresa ou lar, geralmente furto ou algum tipo de golpe, é necessário tomar algumas cautelas:

  

-Mantenha, inicialmente, os fatos em sigilo, pois é preciso frieza nessa hora para tomar as medidas corretas. Lembre-se que atitudes estabanadas ou emocionais vão dar chance ao oponente de sair livre do crime que cometeu e até de processar por calúnia e pedir indenização; 

-Tenha em mente que nem todo caso terá solução. Muitas vezes, o autor do crime não deixa rastros nem pistas, e por mais que seja evidente a participação, não se consegue provas suficientes para demonstrar autoria e materialidade; 

-Se tiver câmeras de segurança instaladas na empresa ou residência, faça completa varredura, pois poderá obter imagens importantes para elucidação do crime; 

-Se o local contar com controle de acesso eletrônico para pedestres e veículos, procure tirar relatórios de entrada e saída para aguçar conclusões;  

-Mantenha o local onde aconteceu o crime preservado se a intenção for registrar BO na delegacia, pois algum tipo de perícia poderá ser requisitada;    

-Consulte um advogado criminalista;

-Se os fatos ainda estiverem nebulosos após as medidas indicadas acima, vá até a delegacia da área dos fatos e converse com o Delegado de Polícia, que orientará sobre as medidas a serem tomadas; 

-Na dúvida sobre a autoria do crime, recomendo registro de boletim de ocorrência de autoria desconhecida. Havendo necessidade, a autoridade policial requisitará perícia para levantar possíveis vestígios do agente; 

-Todos os colaboradores que de algum forma tiveram acesso ao local onde aconteceu o crime ou souberam do delito ocorrido, devem ser arrolados num primeiro momento como testemunhas dos fatos. Somente o desenrolar do inquérito policial irá mostrar se será possível ou não a identificação do responsável ou responsáveis pelo delito.

Para finalizar, é bastante comum, quando o crime praticado é de pequena monta, que a vítima deseje apenas que o funcionário vá embora da empresa em razão da quebra de confiança. Geralmente, é solicitado que confesse e assine carta de demissão de próprio punho. Como foi pego com a boca na botija, é natural que assine qualquer documento por temer, num primeiro momento, ser conduzido para o distrito policial e permanecer preso ou responder inquérito, mesmo em liberdade. 

A experiência aponta que a probabilidade de a vítima ser notificada da existência de reclamação na Justiça do Trabalho, onde o autor do crime nega os fatos e se diz vítima de armação para que seus direitos trabalhistas não sejam pagos, é grande, diria que até é provável.

Portanto, independentemente do valor do bem subtraído de sua empresa ou lar, tome as medidas legais necessárias para ter sossego e não um problema ainda maior no futuro.

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement