Página Inicial arrow Seqüelas da Violência arrow Qual a maneira correta de a imprensa tratar casos de suicídio com grande apelo midiático?
Sexta-feira - 28 de Janeiro de 2022

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase3.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Conecte-se ao Facebook!
Siga-nos no Twitter!

Nossos Parceiros

NR Service
Grupo Padrão
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Lordello Consultoria
Crimes & Acidentes
FL Terceirização
Grupo Vip
ATS Terceirização
Méthodo Gestão Educacional
Seguridade
Wall Service
Protecães
Porto Service
Avitran
JSEG Vigilância
ASC Service
Grupo Titanium
Full
Condomínio em Foco
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Top Clean
Good Clean
Comunicação Juridica
Terras de Gênova
Life Condomínios
Grupo GP
Pro Security
Leão Serviços
QAP Segurança

Quem está On-line

Qual a maneira correta de a imprensa tratar casos de suicídio com grande apelo midiático? Email

 

 

Casos de suicídio são muito divulgados pela mídia se a pessoa falecida for pública ou quando ocorrem logo após o autor cometer assassinato, geralmente de seus próprios familiares.

A maioria dos casos não se enquadra nas duas situações que citei e deixa rastros silenciosos de dor. Tão logo comprovado que não houve participação ou induzimento, são arquivados ainda na fase policial.

A cada 40 segundos uma pessoa tira a própria vida no mundo. São mais de 800 mil suicídios registrados anualmente no planeta.

No Brasil, em média, cerca de 32 pessoas tiram a própria vida todos os dias.                                                                                                                              

Estudos mostram (Bertolote e Fleischmann, World Psychiatry, 2002) que em cerca de 97% dos casos de suicídio caberia um diagnóstico de transtorno mental, tais como:

 -Transtorno de humor

 -Transtorno por uso de substância psicoativa

 -Esquizofrenia

 -Transtorno de personalidade

 -Transtorno orgânico mental

 -Transtorno de ansiedade

 -Transtorno de ajustamento

Em apenas 3% dos casos analisados na pesquisa as vítimas não apresentaram nenhum diagnóstico psiquiátrico.

Os estudiosos dizem que não se deve afirmar que suicídios estão relacionados a uma doença mental. A conclusão cientifica é que a doença mental é um fator de risco para o suicídio.

As causas que levam alguém a praticar o suicídio são por demais complexas. Geralmente, não é explicado por um motivo recente e isolado, tais como perda de emprego ou fim de relacionamento afetivo.

Além do transtorno mental, temos ainda outros aspectos que podem apresentar ligação:

 -Abuso de uso de álcool e drogas ilegais

-Desesperança/Desespero: busca de sentido existencial, razão para viver, falta de habilidade de resolução de problemas normais na vida de qualquer pessoa

-Ter acesso a meios letais

-Impulsividade

Portanto, é errado tentar explicar o suicídio de forma simplista, apontando uma única causa.

O ideal, é que o transtorno mental seja diagnosticado o mais rápido possível e tratado.

A Associação Brasileira de Psiquiatria lançou cartilha intitulada “Comportamento Suicida: Conhecer para Prevenir” e fez o seguinte alerta à imprensa na hora de divulgar notícias que envolvam suicidas:

“Notícias sobre suicídio trazem à tona conhecido dilema: como conciliar o dever de informar sem ferir a susceptibilidade das pessoas, sem provocar danos. O dilema é maior quando a pessoa que pôs fim à vida era uma figura pública ou celebridade. Quando se trata de suicídio, os critérios que norteiam a publicação e a composição da reportagem assumem contornos que diferem dos padrões usuais. Muitos veículos de comunicação optam por não divulgar o ato suicida, postura bem diferente da que é dada para outras violências, como homicídios, por exemplo. Por trás desse cuidado há a noção de que a veiculação inapropriada de casos de suicídio poderia ser chocante, como também estimular o ato em pessoas vulneráveis, numa espécie de “contágio”.

Mas como noticiar um suicídio de forma ética e correta?

  

O suicídio não deve ser enaltecido e nem colocado como ato de coragem ou “solucionador” e muito menos que é algo comum ou normal. Também não se deve falar que é um ato cometido em razão do livre arbítrio, pois como já mencionamos acima, na maioria esmagadora dos casos encontramos transtornos mentais nos autores.

Outro ponto importante a ser explicado, é que embora o transtorno mental seja um fator de risco para o suicídio, especialistas na área enfatizam que o inverso não é verdadeiro, ou seja, a maioria das pessoas que têm algum tipo de problema mental, tal como a depressão, não atenta contra a própria vida.

Portanto, matérias jornalísticas devem abolir o viés sensacionalista com o intuito de evitar pânico desnecessário e equivocado nas pessoas acometidas com doenças psiquiátricas.

  

A referida cartilha oferta dicas valiosas a jornalistas e profissionais que participam de coberturas em casos de suicídio:

 • Evitar a palavra suicídio em chamadas e manchetes. Melhor incluí-la no corpo do texto.

 • Evitar a colocação da matéria em primeira página.

 • Evitar chamadas dramáticas ou ênfase no impacto da morte sobre as pessoas próximas.

 • Pessoas sob o impacto do suicídio estão à procura de uma “causa” para o ocorrido e podem, nas entrevistas, transmitir sua “teoria” que coloca a culpa em algo ou em alguém.

• Alguns entrevistados, inicialmente, poderão negar que a vítima tivesse dado sinais de que planejava se matar. Essa percepção costuma mudar com o passar do tempo.

 • Não repetir a reportagem, nem produzir novas matérias sobre o caso.

 • Não fornecer detalhes do método letal nem fotos.

 • Evitar termos valorativos, como por exemplo: no lugar de “cometeu” suicídio, utilizar “infelizmente, interrompeu a sua vida” em vez de “tentou o suicídio sem sucesso”, usar “felizmente, não conseguiu realizar o ato” ou, ainda, “felizmente, continua viva”; evitar termos generalizantes, como por exemplo, “os suicidas”, ao referir-se a pessoas falecidas por suicídio, trocando por “as pessoas que morreram por suicídio”.

 • Aproveite a oportunidade para conscientizar a população sobre prevenção do suicídio.

 • Apenas falar que o suicídio é frequente, dar muitas estatísticas, só colabora para  o aumento das taxas de suicídio. O ideal, é enfatizar pessoas que enfrentaram problemas sem suicidarem, focando na superação de problemas.

• Mostrar que ideação suicida é algo frequente em doenças mentais e/ou frente a graves dificuldades, mas que a imensa maioria das pessoas consegue lidar de modo eficaz com os problemas e percebem que têm mais “força” do que imaginavam.

  

A cartilha ainda sugere temas que podem ser abordados em reportagens sobre comportamento suicida, as quais bem poderiam acompanhar uma notícia sobre um suicídio em particular:

 • Mostrar como suicídio é frequente e como uma parcela de óbitos poderia ser evitada – 17% dos brasileiros já pensou em suicídio.

 • Recentes avanços no tratamento de transtornos mentais.

 • Histórias de pessoas para as quais a ajuda correta na hora certa evitou o suicídio.

 • Pessoas que, por estarem padecendo de um transtorno mental e/ou enfrentando graves problemas, tentaram o suicídio e que hoje vivem com qualidade de vida, conseguiram superar as dificuldades e percebem a inadequação da tentativa de suicídio que realizaram. • Entrevistar profissionais de saúde mental para que a questão seja retratada de forma menos individualista.

 • Mitos e verdades sobre o suicídio.

 • Sinais de alerta de que uma pessoa está sob risco de suicídio e o que fazer para ajudá-la.

 •  Estratégias de prevenção, descrevendo experiências capazes de diminuir o número de óbitos por suicídio.

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement