Página Inicial arrow Polícia arrow Por que Bolsonaro não usava colete balístico no dia do atentado?
Quinta-feira - 21 de Outubro de 2021

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase1.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Visite nosso canal no Youtube!
Siga-nos no Twitter!

Nossos Parceiros

Terras de Gênova
Crimes & Acidentes
Condomínio em Foco
Porto Service
Comunicação Juridica
NR Service
Seguridade
Good Clean
Grupo Vip
Life Condomínios
Grupo Padrão
JSEG Vigilância
Associação Nacional de Agentes de Segurança
ASC Service
Méthodo Gestão Educacional
Grupo Titanium
Lordello Consultoria
Leão Serviços
Pro Security
Avitran
Grupo GP
FL Terceirização
Full
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Top Clean
Protecães
QAP Segurança
ATS Terceirização
Wall Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!

Quem está On-line

Por que Bolsonaro não usava colete balístico no dia do atentado? Email

Nas eleições brasileiras, o corpo a corpo é algo antigo, já disseminado em nossa cultura. A regra é clara: os candidatos devem estar próximos do povo. O aperto de mão, o abraço apertado e o cafezinho no bar da esquina fazem parte da campanha da maioria dos candidatos a cargos eletivos.

Nesta altura do assunto, cabe uma pergunta:

Mas será que é seguro para aqueles que disputam eleições a exposição pública em ruas e avenidas entupidas de eleitores e curiosos?

Não é preciso ser especialista em segurança para afirmar com todas as letras que o risco de algum incidente contra a integridade física do candidato é alto.

Em rápida pesquisa pelo google, é possível encontrar matérias jornalísticas onde candidatos em período eleitoral foram agredidos, empurrados, xingados e atingidos por ovos, tomates e até pedras.                                                                                           

O período que antecede as eleições torna o ambiente social tenso e é natural que os ânimos se acirrem, principalmente quando há polarização de ideologia partidária.

A preocupação com a segurança dos candidatos é tanta, principalmente para os cargos do executivo, que a própria legislação prevê acompanhamento de policiais sem custos financeiros para os partidos.

Na tarde do dia 06.09.2018, na cidade de Juiz de Fora/MG, o candidato Bolsonaro era carregado nos ombros por apoiadores quando um homem se aproximou e desferiu uma facada em sua região abdominal. Felizmente, ele foi socorrido com rapidez e após operado seu estado é estável. 

Imediatamente após o atentado, ainda durante o processo cirúrgico pelo qual passou Jair Bolsonaro, os comentários na imprensa e nas redes sociais apontavam que a equipe de segurança do candidato havia falhado em sua missão.

O leitor concorda com essa afirmação?

De acordo com minha experiência na área de segurança pública e privada, o primeiro a ser apontado como culpado é o encarregado pela segurança. Curiosamente, a discussão fica num plano bastante raso. No calor das emoções é comum apontar o dedo para o elo mais frágil, como se o esquema de segurança dependesse única e exclusivamente dos agentes de segurança.

As imagens da facada recebida pelo candidato Bolsonaro foram vistas por diversos ângulos, gravadas por câmeras de celular e assim cabe algumas considerações:

 -A rua estava entupida de populares; 

-Muitos desejavam se aproximar do candidato e se possível receber um abraço, um aperto de mão ou tirar selfie; 

-O empurra-empurra era grande, pois o candidato tinha um trajeto a fazer. Cada manifestante procura achar melhor ângulo de visão e não mede esforços para isso;   

-O cordão de isolamento, feito por policiais à paisana, jamais seria plenamente efetivo tendo em vista a multidão existente no local, sem contar que a pessoa a ser protegida não estava parada e sim em movimento.   

É importante o leitor saber que campanhas para cargos eletivos dessa magnitude os candidatos contam com o apoio de equipes multidisciplinares, tais como:

 -Financeira

-Propaganda e Marketing 

-Apoio Logístico 

-Jurídica 

-Material de campanha 

-Militância e cabos eleitorais 

-Redes sociais 

-Pesquisa Eleitoral e etc.

Todas as equipes elencadas têm como finalidade auxiliar o candidato a ganhar as eleições, ou seja, conseguir o maior número de votos possíveis.

Outro fator a ser considerado, é que a “equipe de segurança” do candidato, que não tem a menor preocupação e nem expertise em angariar votos, acaba não recebendo o mesmo valor, atenção ou importância que as demais.

Após essas considerações, gostaria de voltar um pouco no tempo, exatamente aos minutos logo após o atentado contra a vida do candidato Bolsonaro, quando surgiram diversos comentários na imprensa e redes sociais fazendo a seguinte colocação:

“A equipe de segurança falhou”.

Será que foi correta essa primeira conclusão?

Mas será que um médico, sem contar com as devidas condições de trabalho, conseguiria na mesa de cirurgia salvar a vida de um paciente gravemente enfermo? 

E um mecânico, por melhor que seja, sem ter à sua disposição as ferramentas necessárias, será que teria êxito em providenciar conserto complicado em auto?

A equipe de segurança que estava ao lado do candidato Bolsonaro fez o que pode naquela fatídica tarde. Infelizmente, não foi possível evitar o ataque à faca, mas o socorro foi extremamente profissional. Um carro já estava à disposição para qualquer emergência e o paciente chegou ao hospital em apenas 10 minutos.

Os médicos que o atenderam relataram que se a condução de Bolsonaro levasse mais alguns minutos, dificilmente teria sobrevivido. Portanto, antes das críticas, devemos enaltecer o trabalho de pronta-resposta promovido pelos agentes de segurança pública após o incidente ocorrido.

Um dos princípios fundamentais da segurança é o seguinte:

“Segurança não pode ser totalmente delegável, cada um deve assumir sua parcela de responsabilidade”.

Foi divulgado pela mídia que o candidato Bolsonaro tinha à sua disposição colete á prova de bala e que fez uso desse equipamento em algumas ocasiões durante a campanha.

Mas por que não estava trajando o colete balístico embaixo da camisa amarela?

Acredito que a recomendação da equipe de segurança do Bolsonaro era para que ele usasse, na maioria do tempo, o citado equipamento balístico, principalmente quando em contato com populares, ou seja, em lugares públicos.

Mas devemos entender que a decisão de usar ou não o colete acaba ficando a cargo da autoridade a ser protegida.

Já presenciei agentes de segurança pública e privada orientarem a pessoa a ser protegida a não ir em algum evento ou evitar contato com público em situações de maior risco. Na maioria dos casos, não foram atendidos. Esse tipo de situação provoca brechas na segurança e aumenta a tensão para aqueles que fazem o gerenciamento de risco.

O Ministro da Segurança, Raul Jungmann, após o incidente garantiu que o candidato Bolsonaro não seguira o protocolo de segurança fornecido pelos Agentes da Polícia Federal. Uma das orientações era para não ser carregado, evitando assim ser um alvo fácil.

Outro questionamento importante, é o seguinte:

Colete à prova de bala protege contra facada?

A resposta mais simples é a seguinte:

Depende do tipo de colete e também do tipo de arma branca utilizada!

O colete balístico mais comum é o que somente garante proteção contra disparo de arma de fogo; não impede 100 % a penetração de uma faca profissional bastante afiada ou de outro instrumento perfurante.

Pensando em segurança também contra armas brancas, o mercado fornece o colete balístico chamado de “multi-ameaças”.

É de se lembrar, que Adélio Bispo de Oliveira utilizou faca simples de cozinha para atingir o candidato, e como não conseguiu proximidade com o alvo, esticou o braço para acertar Bolsonaro, perdendo, assim, velocidade e força. Dessa forma, acredito que qualquer colete balístico teria bloqueado a penetração no corpo do alvo.

CONCLUSÃO:

Que o presente caso sirva de alerta para que os candidatos a cargos eletivos aceitem as orientações do corpo de segurança ao cumprirem agenda de eventos durante a campanha eleitoral.

Para finalizar, deixo uma frase que uso bastante em minhas palestras sobre segurança pessoal, familiar e empresarial:

“Não há trabalho tão importante, e nem lazer tão urgente, que não possa ser feito com segurança”.

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement