Página Inicial arrow Proteção e Segurança arrow Se Chupar, Não Dirija - Fica o Alerta da Blitz da Lei Seca
Terça-feira - 23 de Julho de 2019

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase6.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Visite nosso canal no Youtube!
Conecte-se ao Facebook!

Nossos Parceiros

Seguridade
Full
QAP Segurança
Protecães
Comunicação Juridica
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Good Clean
Pro Security
Condomínio em Foco
Grupo Titanium
Avitran
Grupo GP
FL Terceirização
Wall Service
Grupo Vip
ATS Terceirização
Associação Nacional de Agentes de Segurança
NR Service
Crimes & Acidentes
Terras de Gênova
Porto Service
JSEG Vigilância
Lordello Consultoria
ASC Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Top Clean
Grupo Padrão
Leão Serviços
Life Condomínios
Méthodo Gestão Educacional

Quem está On-line

Nós temos 2 visitantes online
Se Chupar, Não Dirija - Fica o Alerta da Blitz da Lei Seca Email

Um motorista trafegava à noite pela cidade de Cariacica/ES, quando foi parado por policiais militares que realizavam a chamada Blitz da Lei Seca. Despreocupado, o condutor alegou que não havia ingerido bebida alcoólica nas últimas horas, por isso, não se importava em passar pelo teste do bafômetro.

O problema começou logo após assoprar com força o “caninho”, pois o equipamento apontou alcoolemia igual a 0,60 mg álcool/litro de ar. Revoltadíssimo, o motorista negou veemente que tivesse ingerido cerveja ou pinga; que a possível constatação alcoólica poderia ser oriunda do desodorante íntimo de sua namorada.

O homem, de 52 anos, revelou que momentos antes da abordagem tinha saído de um motel, onde esteve com sua namorada, de 19 anos. Que ao praticar sexo oral nela, notou que usava desodorante íntimo em excesso, que poderia conter álcool em sua composição. A namorada, de nome Bruna, estudante de Pedagogia, confirmou o uso do higienizador íntimo e mostrou-se revoltada com os policiais, alegou até discriminação.

A passageira teria dito o seguinte aos militares:

“Acho que vocês gostam de mulher fedida. Com tanto bandido na rua, ficam querendo prejudicar quem se cuida e é cheirosinha. Preconceito puro”.

O policial que conduziu as partes à delegacia teria feito o seguinte comentário:

“A forma como o álcool é ingerido não faz diferença para o Código Nacional de Trânsito. Fica o alerta para moças que fazem uso de produtos como esse. Além de tirar o sabor natural, ainda podem prejudicar criminalmente seus namorados”.

Fiquei sabendo do seguinte teste realizado por policiais rodoviários: três voluntários passaram pelo teste do bafômetro, sendo que antes o primeiro ingeriu dois copos de cerveja, o segundo comeu bombom com licor e o terceiro fez bochecho com um remédio homeopático que continha álcool. Logo em seguida, os três assopraram o canudinho.

O resultado do teste surpreendeu a todos: o primeiro apresentou 0,48 mg de álcool por litro de ar; o segundo apontou 0,42 mg de álcool por litro de ar e o último atestou 1,33 mg de álcool por litro de ar. Com os resultados apresentados, todos seriam multados e teriam habilitação suspensa.

Portando, se for dirigir, muito cuidado com o que vai beber, comer ou até lamber!

 

Image 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement