Página Inicial arrow Legislação arrow País que gosta de processos mas não gosta de punir
Domingo - 05 de Abril de 2020

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase5.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Siga-nos no Twitter!
Conecte-se ao Facebook!

Nossos Parceiros

Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Comunicação Juridica
Grupo Padrão
Seguridade
Associação Nacional de Agentes de Segurança
QAP Segurança
Méthodo Gestão Educacional
Good Clean
JSEG Vigilância
Condomínio em Foco
Pro Security
Top Clean
ATS Terceirização
ASC Service
Crimes & Acidentes
Grupo Vip
Grupo GP
Protecães
Lordello Consultoria
Terras de Gênova
Avitran
FL Terceirização
Grupo Titanium
Full
Life Condomínios
Wall Service
Leão Serviços
Porto Service
NR Service

Quem está On-line

Nós temos 1 visitante online
País que gosta de processos mas não gosta de punir Email

A manchete no jornal já diz tudo:     

 

“Idoso é detido pela 32ª vez no Ceará por maus-tratos a animais”.

Um senhor de 71 anos foi detido e autuado por crime de maus tratos a animais pela 32ª vez em Fortaleza. O suspeito foi flagrado transportando, de forma irregular, em duas caixas de plástico, 131 animais, entre os quais, 104 periquitos australianos, dois pavões, 13 porquinhos da Índia e mais 15 tipos de pássaros de diferentes tipos.

A finalidade era vender os animais e aves, sendo que muitos acabaram morrendo durante o transporte. O delegado de polícia que atendeu a ocorrência ficou abismado com o número de vezes que o idoso praticou o mesmo crime ambiental. So restou-lhe cumprir a legislação vigente; após as formalidades e burocracias, o autuado foi liberado.

Quantos vezes o leitor já se revoltou e ficou indignado com notícias de homicidas que, no Brasil, respondem processos crime em liberdade ou que tiveram condenações pífias e depois de pouco tempo na prisão cumpriram o resto da pena em liberdade?

Recentemente, no Texas/EUA, um réu latino-americano foi condenado à pena de morte em razão do assassinato de uma mulher em troca de R$6 mil reais, pagos pelo marido da vítima. Ele recebeu injeção letal na prisão de Huntsville, segundo notificou o Departamento de Justiça Criminal do Texas.

A lei americana não ofertou nenhuma benevolência por ter sido o primeiro crime praticado pelo réu.

Com isso, gera-se o sentimento de punição; a população toma ciência que dependendo do delito praticado, a penalidade será altíssima e poderá custar a própria vida de quem ousou infringir a lei criminal.

Por outro lado, em solo americano, mesmo aqueles que praticam delitos de menor potencial ofensivo, sabem que se forem descobertos passarão alguns meses na cadeia. Não existe a possibilidade de se trocar o recolhimento ao cárcere pelo pagamento de pequena multa ou doar cestas básicas a alguma instituição de caridade.

 

Image 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement