Página Inicial arrow Polícia arrow Forças armadas chegam ao Rio de Janeiro! Daqui a 6 meses os índices criminais vão diminuir, manter o
Quinta-feira - 21 de Outubro de 2021

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase2.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Visite nosso canal no Youtube!
Siga-nos no Twitter!

Nossos Parceiros

Terras de Gênova
Crimes & Acidentes
Condomínio em Foco
Porto Service
Comunicação Juridica
NR Service
Seguridade
Good Clean
Grupo Vip
Life Condomínios
Grupo Padrão
JSEG Vigilância
Associação Nacional de Agentes de Segurança
ASC Service
Méthodo Gestão Educacional
Grupo Titanium
Lordello Consultoria
Leão Serviços
Pro Security
Avitran
Grupo GP
Wall Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
FL Terceirização
Full
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Top Clean
Protecães
QAP Segurança
ATS Terceirização

Quem está On-line

Forças armadas chegam ao Rio de Janeiro! Daqui a 6 meses os índices criminais vão diminuir, manter o Email

Forças armadas chegam ao Rio de Janeiro!

Daqui a 6 meses os índices criminais vão diminuir, manter o mesmo nível ou aumentar?

 

 

 

Em 2017, o Rio de Janeiro sofre sua pior crise na segurança pública.

Nos primeiros 7 meses do ano o número de policiais mortos suplantou os 12 meses de 2016.                  

Bala perdida virou rotina, chegando ao cúmulo de atingir um bebê na barriga da gestante, deixando-o sem os movimentos do corpo.

Transportadoras ameaçam parar se roubos de cargas na cidade, que já não é mais tão maravilhosa, não forem contidos. Em virtude dessa situação catastrófica, muitos produtos estão chegando nas prateleiras do comércio carioca 20% mais caros. Tamanho é o absurdo, que carne chega a ser transportada em carro forte frigorificado.

Policiais com salários atrasados e desmotivados.

Falta de recursos para as Unidades de Polícia Pacificadora, que agora se preocupam mais com a segurança dos policiais que ali trabalham do que com a pacificação da comunidade.

No meio desse cenário tenebroso, prefeito e governador do Rio pedem auxílio ao governo federal.

E qual foi a solução encontrada?

Publicação no Diário Oficial da União de um Decreto de Garantia e da Ordem.

Pasmem, pois não é piada pronta!

Como se uma simples folha de papel A4, com algumas linhas subscritas e alguns carimbos imponentes, pudesse, de fato, garantir ao carioca a tão sonhada segurança de percorrer as ruas de sua cidade sem correr o risco de ser assaltado ou atingido por um projetil emanado de um fuzil calibre 7.62.

O tal decreto promete disponibilizar 8.500 homens das forças armadas para cumprir essa árdua missão.

O Ministro da Defesa diz que “as  forças armadas vão atuar sob demanda”.

Para bom entendedor, pingo é letra, já dizia o inteligente jargão popular.

A tradução é mais ou menos assim: aonde ocorrer um conflito se aciona a tropa para amainar a situação. A demanda será grande, pois a média de tiroteios é de 15 a 20 por dia.

No primeiro dia de atuação das Forças Armadas, foi possível ver alguns tanques de guerra circulando pelas avenidas fluminenses enquanto motoristas que passavam batiam palmas e pedestres promoviam selfies.

 “Para quem não tem nada, a metade é o dobro”, já dizia o pensador.

Mas tem uma pergunta que não quer calar: o Decreto de Garantia e da Ordem, na prática, vai garantir segurança ou sensação de segurança?

A resposta é cirúrgica e matemática quando comparado com a segurança efetivada nos Jogos Olímpicos.

O mega evento decorreu no período de 3 a 21 de agosto de 2016.

Para garantir a segurança das delegações de todo o mundo e dos milhares de turistas, foi disponibilizado o seguinte:

-85.000 homens das forças armadas, ou seja, número 10 vezes maior que o efetivo prometido atualmente

- 4.500 policiais federais, sendo que o efetivo do Rio de Janeiro em tempos normais é de 700 agentes e delegados.

- 252 milhões de reais foram gastos com segurança privada. O Ministério da Justiça confirmou na época que os Jogos Olímpicos de 2016 tiveram uma segurança compartilhada: 41% pública e 59% privada.

-3000 profissionais da Força Nacional, sendo que para a Garantia da Ordem neste dramático momento temos 620 agentes.    

-3250 policiais rodoviários federais, contra 720 atualmente.

O leitor deve estar curioso para saber como se comportaram os índices criminais durante a realização dos Jogos Olímpicos que aconteceram no Rio de Janeiro.

Mesmo com todo esse aparato policial e de segurança privada elencados, sem contar policiais estrangeiros que acompanharam todos as delegações, os índices criminais cariocas aumentaram, quando comparados com o mesmo período de 2015.

Em relação aos roubos em ônibus, o crescimento foi de 91,7%.

Aumento de 68,1% em roubos de rua, que incluem furtos a celulares e assaltos a pedestres, além de roubos em coletivos.

Já os roubos de veículos aumentaram 15%. 

Analisando a comparação que fiz acima, dos reforços em segurança prometidos pelas autoridades para debelar a crise atual com o esquema de segurança aplicado nos jogos olímpicos que ocorreram ano passado, o leitor poderá concluir se o morador do Rio de Janeiro terá nos próximos meses segurança efetiva ou apenas sensação de segurança.

Daqui a 6 meses os índices criminais no Rio de Janeiro vão diminuir, manter o mesmo nível ou aumentar? Ninguém tem essa resposta ainda. É preciso aguardar para mensurar os resultados.

Não seria mais viável repassar o dinheiro que o Governo Federal vai ter que gastar para manter as forças públicas federais, para o governo estadual reaparelhar e manter em dia os salários dos policiais civis e militares?

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement