Página Inicial arrow Polícia arrow Xuxa acredita que seu pai piorou por erro médico no hospital; como se dá a apuração e penalização?
Quinta-feira - 21 de Outubro de 2021

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase2.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Siga-nos no Twitter!
Conecte-se ao Facebook!

Nossos Parceiros

Terras de Gênova
Crimes & Acidentes
Condomínio em Foco
Porto Service
Comunicação Juridica
NR Service
Seguridade
Good Clean
Grupo Vip
Life Condomínios
Grupo Padrão
JSEG Vigilância
Associação Nacional de Agentes de Segurança
ASC Service
Méthodo Gestão Educacional
Grupo Titanium
Lordello Consultoria
Leão Serviços
Pro Security
Avitran
Grupo GP
FL Terceirização
Full
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Top Clean
Protecães
QAP Segurança
ATS Terceirização
Wall Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!

Quem está On-line

Xuxa acredita que seu pai piorou por erro médico no hospital; como se dá a apuração e penalização? Email

A apresentadora Xuxa postou em março/2017, em seu Instagram, desabafo sobre o que aconteceu com seu pai após dar entrada em hospital no Rio de Janeiro:

"Erro médico...Hospital Samaritano no Rio. Erraram a dose de um medicamento, o que desencadeou hemorragias internas...", escreveu a apresentadora.

"Ele entrou com um problema de coluna, falando, andando e descobriram a osteoporose. Deram uns remédios a ele e os efeitos foram brabos. Acredito que vai ser um milagre se meu pai sobreviver.

O quadro de saúde de Luiz Floriano Meneghel, de 85 anos, é grave. A apresentadora ainda fez outra postagem sobre o drama vivido por seu genitor:

"Ele entrou para se cuidar e saiu pior. Algumas coisas aconteceram, mas não posso dizer se ele estaria assim se estivesse em casa. Talvez ele estivesse com dor, mas não assim. O cuidar de uma coisa desencadeou outras. Isso para mim é inadmissível. Você entra no hospital e quer melhorar, não piorar"

Resolvi escrever este artigo com o intuito de esclarecer leitores que estão enfrentando o mesmo problema que a “Rainha dos Baixinhos”.

     

Recentemente, soube de caso bastante semelhante e lamentável. Um casal levou seu filho de 6 anos a um pronto socorro de hospital da Grande São Paulo; o garoto estava com febre alta. A criança, apesar de doente, ainda corria e brincava no hall do nosocomio enquanto aguardava a consulta. Após 15 minutos começou o atendimento, sendo que o médico prescreveu determinada injeção, que foi ministrada imediatamente na enfermaria. Passados 10 minutos, o garotinho começou a passar mal e desmaiou, sendo levado à sala de emergência, onde entrou em óbito. A família levanta duas suspeitas:

 

a) Aplicaram medicamento errado

b) Aplicaram medicamente certo mas em dose muito elevada

 

Havendo suspeita de erro médico, a família deve registrar Boletim de Ocorrência na delegacia mais próxima do hospital. Se porventura o paciente entrou em óbito, o delegado de polícia que elaborou a ocorrência expedirá requisição para que seja realizada a autópsia.

Se o paciente não faleceu, mas teve quadro clínico agravado por erro médico, os familiares também poderão registrar queixa na polícia.

 

Ficando comprovado que o paciente faleceu em razão de erro médico, o responsável irá responder pelo crime de Homicídio Culposo, com a seguinte penalização:

Pena - detenção, de um a três anos.

Aumento de pena

§ 4º No homicídio culposo, a pena é aumentada de um terço se o crime resulta de inobservância de regra técnica de profissão, arte ou ofício

O médico ainda responderá junto ao Conselho Regional de Medicina e poderá ter as seguintes punições, após a devida apuração:

-advertência profissional, em aviso reservado;
-censura confidencial, em aviso reservado;
-censura pública, em publicação oficial;
-suspensão do exercício profissional, até 30 (trinta) dias;
-cassação do exercício profissional

 

Não podemos esquecer também do processo indenizatório na esfera cível.

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement