Página Inicial arrow Seqüelas da Violência arrow Por que o brasileiro exagera tanto nas festas carnavalescas?
Sexta-feira - 28 de Janeiro de 2022

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase4.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Siga-nos no Twitter!
Visite nosso canal no Youtube!

Nossos Parceiros

NR Service
Grupo Padrão
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Lordello Consultoria
Crimes & Acidentes
Leão Serviços
QAP Segurança
FL Terceirização
Grupo Vip
ATS Terceirização
Méthodo Gestão Educacional
Seguridade
Wall Service
Protecães
Comunicação Juridica
Terras de Gênova
Life Condomínios
Grupo GP
Pro Security
Porto Service
Avitran
JSEG Vigilância
ASC Service
Grupo Titanium
Full
Condomínio em Foco
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Top Clean
Good Clean

Quem está On-line

Por que o brasileiro exagera tanto nas festas carnavalescas? Email

O carnaval ainda não começou, mas na cidade de São Paulo os blocos de rua estão fervendo há várias semanas. 

A Prefeitura registrou 391 blocos cadastrados, um aumento significativo de 28% em relação a 2016. Segundo estimativa dos organizadores dos principais blocos, a capital paulista deve atrair aproximadamente 2,5 milhões de pessoas. Número superior a Salvador (2 milhões) e Recife (1,5 milhões).

Mas nem tudo é festa, alegria, fantasia e purpurina!

Um dos problemas gerados, é o trânsito e o barulho em bairros tradicionalmente familiares, causando desconforto aos muitos moradores idosos, crianças e pessoas acamadas.

Plantões policiais e prontos socorros de hospitais permanecem lotados durante esses eventos. É alta a incidência de subtrações de celulares e carteiras, bem como brigas e acidentes de trânsito, que têm origem nas bebedeiras desmedidas e overdoses de drogas.

No último final de semana, resolvi caminhar a pé pelo meu bairro, na Zona Oeste/SP, e visitei três blocos de rua num raio de 800 metros. Tive a nítida impressão que para alguns dos foliões o mundo iria acabar em breve, tendo em vista o exagero de procedimentos, principalmente em relação a ingestão de bebidas alcoólicas.

Durante o percurso, é possível ver jovens e adultos fantasiados segurando garrafas de bebidas alcoólicas de baixa qualidade. Notei que a estratégia é se embriagar no caminho para pular o carnaval turbinado. Muita gente estava ingerindo vinho tinto de garrafão, na temperatura ambiente, sem qualquer cerimônia. A garrafa passava de boca em boca entre os amigos. O sol de quase 40 graus esquentava os ânimos e facilitava o surgimento das primeiras pessoas caídas ao chão.

Verdadeiro enxame de ambulantes circundava a área de maior concentração de foliões. A mercadoria oferecida era somente bebida alcoólica, pois pra que comer no carnaval?

O lema era “cabeça cheia e estômago vazio”.

Portanto, a festa carnavalesca torna-se sinônimo de exagero, onde se mistura, de forma explosiva e inconsequente, álcool, energéticos, drogas, calor excessivo, esgotamento físico e privação do sono.

Mas qual o motivo de tanta felicidade e comemoração?

O Brasil está em recessão, vivenciando gravíssima crise financeira; e o desemprego nas alturas. Nos últimos dois anos estamos sendo bombardeados diariamente com manchetes tenebrosas nos veículos de comunicação, principalmente em relação à política e violência urbana.

Pelo menos para mim, essa alegria parece um tanto contraditória. Mas a contradição faz parte da cultura brasileira; portanto, viva o carnaval!!!

 

Image 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement