Página Inicial arrow Polícia arrow Quais opções o autor de “homicídio emocional” tem logo após o crime?
Quinta-feira - 21 de Outubro de 2021

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase6.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Siga-nos no Twitter!
Conecte-se ao Facebook!

Nossos Parceiros

Terras de Gênova
Crimes & Acidentes
Condomínio em Foco
Porto Service
Comunicação Juridica
NR Service
Seguridade
Good Clean
Grupo Vip
Life Condomínios
Grupo Padrão
JSEG Vigilância
Associação Nacional de Agentes de Segurança
ASC Service
Méthodo Gestão Educacional
Grupo Titanium
Lordello Consultoria
Leão Serviços
Pro Security
Avitran
Grupo GP
Wall Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
FL Terceirização
Protecães
QAP Segurança
ATS Terceirização
Full
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Top Clean

Quem está On-line

Nós temos 1 visitante online
Quais opções o autor de “homicídio emocional” tem logo após o crime? Email

O crime que envolveu Elize Matsunaga, condenada por ter assassinado o próprio marido dentro do apartamento que residiam, trouxe à baila discussão interessante sobre dois tipos de homicídios:

1) Premeditado

2) Em razão de violenta emoção

A morte arquitetada requer planejamento minucioso e pode ser executada pelo próprio autor ou mediante contratação de matador profissional. Tudo é devidamente orquestrado para que o desafeto perca a vida e a polícia tenha dificuldades em esclarecer o crime.

Já no homicídio de cunho emocional, tudo acontece num rompante. É como se os envolvidos estivessem na hora e local errados para que a tragédia acontecesse.

O momento crucial é a morte da vítima. O sentimento de arrependimento pode surgir nos momentos subsequentes, mas aí já é tarde; não existe a possibilidade de fazer o cadáver voltar a respirar.

Nesse momento de solidão, o autor do assassinato terá que refletir o que irá fazer dali pra frente. A experiência na esfera criminal contempla que o autor do homicídio emocional geralmente encontra 4 caminhos para escolher:

a)Suicídio: é muito comum aquele que matou em razão de forte emoção arrepender-se logo em seguida e não ver mais motivo para viver. Dessa forma, acaba atentando contra a própria vida.

b)Acionar a polícia: após cair em si da besteira que praticou, muitos homicidas entregam-se de forma imediata e voluntária à polícia.

c)Orientação de advogado: ao perceber que será difícil sair livre de uma investigação policial, o assassino procura apoio de advogado criminal, que, geralmente, orienta o cliente a fugir do estado flagrancial e em seguida se apresentar ao delegado de polícia responsável pelo caso. Agindo assim, a narrativa do investigado já irá apresentar elementos de defesa que visam pelo menos minimizar a pena no julgamento pelo tribunal do júri.

d)Tentativa de não responder pelo crime: a ideia é eliminar pistas, e uma das alternativas é sumir com o cadáver. Todos os vestígios devem ser eliminados e provas destruídas. A rotina de vida é mantida para não levantar suspeitas.

Elize Matsunaga optou pela última alternativa. Ela não telefonou para ninguém, não pediu conselhos a amigos nem a advogados. Provavelmente, após voltar à racionalidade, percebeu que a probabilidade de ser descoberta era grande. Deve ter esperado por alguns minutos para saber se alguém iria avisar a segurança sobre disparo de arma de fogo no interior do apartamento. Elize esclareceu que o marido havia substituído as janelas da unidade por modelo anti ruído. Outro ponto a seu favor, é que o prédio tem apenas um apartamento por andar, de metragem grande, o que dificultou que fosse ouvido o disparo da pistola calibre 380, de propriedade de Elize.

Em razão a isso, a autora do homicídio deve ter ficado um pouco aliviada, mas logo surgiu em sua mente a seguinte dúvida:

“Como desaparecer com o cadáver corpulento, de um homem alto e com mais de 100 quilos?”.

Elize conhecia bem o prédio,  pois morava há quase 5 anos lá. Sabia que as áreas comuns eram repletas de câmeras de segurança, inclusive os elevadores. Os funcionários da segurança também eram outro entrave para retirar o corpo do marido sem gerar suspeitas.

A alternativa criada por Elize para tentar despistar e confundir o trabalho da polícia, foi esquartejar o corpo, limpar todo sangue no apartamento, resfriar as partes em um freezer, isso para impedir cheiro e vazamento de sangue, embalar em sacos plásticos e transportar em 3 malas de viagem.

O problema é que as câmeras de segurança do edifício registraram a entrada de Marcos Matsunaga, mas a saída...

CONCLUSÃO

Todas as 4 possibilidades que mencionei provavelmente passaram pela mente de Elize Matsunaga após balear o esposo na têmpora, provocando-lhe a morte. Tecnicamente, a melhor opção teria sido comunicar a polícia imediatamente e contar os fatos sem mentiras, colaborando, assim, com a Justiça. Se tivesse optado por esse caminho, provavelmente teria respondido o processo em liberdade, conseguiria a guarda da filha e teria muita chance de ser condenada por homicídio simples privilegiado,  que lhe renderia por volta de 5 anos de prisão, sendo que dificilmente seria conduzida ao cárcere.

Mas ela preferiu tentar enganar a polícia e a justiça; se deu mal, pois seu plano ardiloso não funcionou; por isso continua presa no presídio feminino de Tremembé/SP.

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement