Página Inicial arrow Legislação arrow A marginalidade é proporcional à impunidade?
Quinta-feira - 21 de Outubro de 2021

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase5.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Visite nosso canal no Youtube!
Siga-nos no Twitter!

Nossos Parceiros

Terras de Gênova
Crimes & Acidentes
Condomínio em Foco
Porto Service
Comunicação Juridica
NR Service
Seguridade
Good Clean
Grupo Vip
Life Condomínios
Grupo Padrão
JSEG Vigilância
Associação Nacional de Agentes de Segurança
ASC Service
Méthodo Gestão Educacional
Grupo Titanium
Lordello Consultoria
Leão Serviços
Pro Security
Avitran
Grupo GP
Wall Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
FL Terceirização
Full
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Top Clean
Protecães
QAP Segurança
ATS Terceirização

Quem está On-line

Nós temos 1 visitante online
A marginalidade é proporcional à impunidade? Email

O político, orador e filósofo italiano Marco Túlio Cícero, por volta do ano 82 a.C., disse que o” maior estímulo para cometer faltas é a esperança de impunidade”.

Na mesma esteira, Leonardo da Vinci, considerado por muitos um dos maiores gênios da história, devido a sua multiplicidade de talentos, disse, por volta de 1490, que “quem não pune o mal, ordena se faça".

Amigo leitor, esses dois pensamentos traduzem o sentimento de impunidade que assola o Brasil. A maiorias das pessoas concorda que nossa legislação penal é deveras benevolente e que ao invés de intimidar os cidadãos, em muitos casos, acaba incentivando a prática delituosa.

A Alemanha, uma das maiores potências mundiais, possui taxa de criminalidade insignificante. Lá a lei é rigorosíssima. Deixar de pagar multa de trânsito no prazo estipulado, leva o infrator à cadeia.

Breno, jogador de futebol do São Paulo que se transferiu para o Bayerrn de Munique, está sentindo na pele a mão pesada da justiça alemã.

Em 20.09.2011, a casa onde morava pegou fogo. Ele estava sozinho no local, seus familiares tinham saído. Apresentando apenas leves ferimentos, conseguiu se salvar, mas foi internado em virtude de quadro de confusão mental.

No dia 24.09.11, Breno foi detido sob suspeita de “incêndio criminoso”, cuja pena pode chegar a 15 anos de prisão. Algumas semanas depois, conseguiu direito de responder processo em liberdade, após pagar fiança no valor de 500 mil Euros.

Em 4 de julho de 2012, menos de um ano, saiu a sentença criminal condenando Breno a 3 anos e nove meses de prisão. Ele foi imediatamente recolhido à prisão.

A lei penal alemã determina que o réu cumpra 2/3 da pena, sem chora e nem vela. A data prevista para a liberdade do jogador é 20.12.2014.

Se fato idêntico fosse praticado em terras brasileiras, o que teria acontecido na esfera criminal? Bem, a resposta não precisa ser dita, já é conhecida por todos...

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement