Página Inicial arrow Polícia arrow Aparência do suspeito de crime pode influenciar no julgamento das pessoas?
Quinta-feira - 02 de Outubro de 2014

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase5.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Visite nosso canal no Youtube!
Siga-nos no Twitter!

Nossos Parceiros

Good Clean
Méthodo Gestão Educacional
Comunicação Juridica
Grupo Padrão
Seguridade
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Avitran
ASC Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Grupo Titanium
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Top Clean
Life Condomínios
NR Service
Grupo GP
Crimes & Acidentes
Lordello Consultoria
Protecães
Grupo Vip
Pro Security
Wall Service
JSEG Vigilância
FL Terceirização
Full
Condomínio em Foco
Porto Service
Terras de Gênova
Leão Serviços
QAP Segurança
ATS Terceirização

Quem está On-line

Nós temos 1 visitante online
Aparência do suspeito de crime pode influenciar no julgamento das pessoas? Email

Uma mulher de 60 anos teve seu relógio Rolex, de ouro branco e cravejado de brilhantes, subtraído em assalto que sofreu no trânsito no bairro do Morumbi/SP. Ela narrou no boletim de ocorrência, que o autor empunhava pistola niquelada, era de cor branca, cabelos loiros encaracolados, tinha olhos azuis e aparentava 20 anos de idade. Dois meses depois, policiais de uma delegacia na periferia de São Paulo prenderam indivíduo com as mesmas características físicas e que portava o tal relógio no pulso. 

A vítima foi intimada para reconhecimento do suspeito. Para espanto do delegado, a mulher não reconheceu o jovem, apesar de corresponder exatamente à descrição que ela dera na ocorrência policial. Ao deixar o distrito, seu advogado, contrariado, comentou com um investigador:

”Na verdade ela reconheceu o rapaz, mas resolveu dar segunda chance a ele, pois tem cara de anjo”.

Estudos feitos pela Universidade de Bath, na Grã-Bretanha, garantem que réu considerado “feio” tem mais chances de ser considerado culpado pelos jurados no Tribunal do Juri.

A jurista Sandie Taylor coordenou pesquisa inédita com quase 100 voluntários, que ouviram, como tendo ocorrido realmente, relato de assalto, mas que era pura ficção criada para atender o estudo. Foram mostradas fotos de 4 suspeitos (a de um branco bonito, de um branco feio, de um negro bonito e de um negro feio). Os participantes tinham que ofertar notas de 0 a 10 quanto a possibilidade de cada um ser o autor do crime. As respostas diferenciavam de acordo com a aparência do suspeito.

Conclusão:

"Réus atraentes são, ao que parece, julgados de forma menos rígida do que réus feios”. Em 1976, na cidade de Búzios/RJ, foi morta uma das mulheres mais bonitas do Brasil, Ângela Diniz, conhecida como “A Pantera de Minas”. O réu era seu marido, Doca Stret, que ostentava fama de playboy e era desejado pelas mulheres em razão de sua aparência física privilegiada. Ele confessou o assassinato.

A necropsia constatou que a vítima foi morta com três tiros no rosto e um na nuca. O brilhante advogado, Evandro Lins e Silva, apelou para  laudos de sanidade mental de Ângela Diniz, que atestavam personalidade neurótica, dependência de sedativos, anorexígenos e maconha.

O acusado, sempre com vestimenta impecável, alegou legítima defesa da honra, por sentir-se traído pela companheira. Declarou aos jurados: “Matei por amor”.

O julgamento aconteceu em 1979 e o defensor soube trabalhar o coração dos jurados, referindo-se a Doca Street como "este mancebo bonito e trabalhador”. À porta do fórum, centenas de mulheres pediam absolvição do belo réu. Por fim, foi absolvido do homicídio doloso!

A promotoria recorreu, e em 1981 foi condenado a 15 anos de prisão. Desde a morte de Daniella Peres, a imprensa passou a cobrir assassinatos que repercutem junto a opinião pública.

Mas por que alguns casos “pegam” na mídia e outros não?

A explicação está nos ingredientes dos personagens do crime. Principalmente, quando a pessoa morta é bela, jovem e cheia de vida. O interessante, é que quando o principal suspeito é considerado “feio”, é comum se ouvir a afirmação:

 “Ele tem cara de bandido”, como se a aparência fosse o principal aspecto para a condenação.

A chacina praticada contra a família de policiais militares, no início de agosto/2013, traz como principal suspeito um menino de 13 anos. Com jeito bonachão, o "Marcelinho" é branco, gordinho, cabelos aloirados e com sorriso tímido. Mesmo a polícia apontando muitas provas e indícios contra ele, a maioria das pessoas não crê em sua culpabilidade.

Seguidor no Facebook enviou-me a seguinte consideração:

 “Muita gente não aceita que o adolescente matou os pais, mas não tem dúvida que foi ele”.

Será que o aspecto bonito do menino e sua condição social não explicam um pouco esse fenômeno?

Será que se o suspeito fosse garoto maltratado, com péssima aparência física e morasse numa favela, teria legião de pessoas o defendendo?

Está levantada a polêmica!

 

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
AdvertisementAdvertisementAdvertisement