Página Inicial arrow Medo e Omissão arrow Já passou por sua cabeça cometer suicídio ou homicídio?
Sexta-feira - 22 de Novembro de 2019

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase2.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Conecte-se ao Facebook!
Visite nosso canal no Youtube!

Nossos Parceiros

ASC Service
FL Terceirização
Leão Serviços
Lordello Consultoria
Avitran
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Life Condomínios
Protecães
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Grupo Padrão
QAP Segurança
Pro Security
ATS Terceirização
Porto Service
Grupo Titanium
JSEG Vigilância
Grupo GP
NR Service
Wall Service
Grupo Vip
Méthodo Gestão Educacional
Top Clean
Good Clean
Condomínio em Foco
Seguridade
Full
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Crimes & Acidentes
Terras de Gênova
Comunicação Juridica

Quem está On-line

Já passou por sua cabeça cometer suicídio ou homicídio? Email

Achei intrigante o comentário feito por professor de direito penal quando eu cursava a universidade:  “Caros alunos, qualquer pessoa, pelo menos uma vez, já pensou em dar cabo da própria vida”.

A discussão entre os alunos foi acalorada; ao final, o mestre completou: “Em alguns momentos da nossa existência, quando fragilizados emocionalmente ou abatidos pela ocorrência de fato muito triste, é possível ventilarmos hipótese de suicídio. Geralmente, é um flash de segundos e não passa disso”. É importante frisar, que o ato suicida não é considerado diagnóstico de transtorno mental, pois pessoas consideradas sãs, livres de qualquer tipo de doença psicológica, podem cometer esse desatino.

Na aula seguinte, o professor levantou outro assunto muito polêmico: “Todos nós, em algum momento de raiva, aborrecimento ou contrariedade, já tivemos vontade de matar alguém”. Os comentários foram surgindo naturalmente, e ao final, deram, mais uma vez, razão ao educador. O ser humano é dotado de bondade, amor e carinho, mas também de instinto agressivo e violento. O ambiente em que foi criada, processos depressivos, baixa autoestima, perda da pessoa amada, dívidas financeiras, inveja, uso frequente de drogas e tantos outros acontecimentos, podem fazer com que uma pessoa considerada normal pratique atitude violenta e completamente inesperada.

 Cronologicamente, podemos dizer que tudo começa com uma ideia negativa que surge na mente humana num momento de crise, e que, na grande maioria dos casos, cessa quase que no mesmo instante. O contexto se agrava quando esse pensamento torna-se um desejo, ou seja, ventila-se a possibilidade de concretizar atitude violenta. É importante frisar, que nessa fase não há nenhum tipo de planejamento ou estratégia formulada. O problema adquire contornos quando o desejo passa a ser contínuo, persistente, podendo avançar para a fase que chamamos de planejamento. Com a decisão já tomada, a preocupação passa a ser vislumbrar plano para concretizá-la. Por fim, vem a fase da execução, onde o sujeito, friamente, estipula roteiro com hora, local, método e instrumentos a serem utilizados para tirar a vida de alguém ou cometer suicídio.

 No caso do homicídio, caso seja alçado à condição de suspeito pela polícia, o autor tende a negar veementemente a autoria. Já no suicídio, se a vítima não deixar carta ou algum sinal do ato que cometeu, familiares e amigos rechaçam essa possibilidade, argumentando que a pessoa querida não tinha motivos para ceifar a própria vida; aí, as críticas à polícia aparecem aos montes. Essa é uma dualidade dos seres humanos: ir, numa fração de segundos, do extremo da bondade à pratica de atos com requintes de violência e crueldade; temos que aprender a lidar com essa condição. Após mais de 25 anos estudando à fundo o fenômeno da violência, aprendi que jamais devemos duvidar da capacidade das pessoas em fazer o mal, como também de fazer o bem.

 

Dr. Jorge Lordello 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement