Página Inicial arrow Legislação arrow Por que o legislador é tão benevolente com os homicidas?
Domingo - 29 de Março de 2020

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase2.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Conecte-se ao Facebook!
Visite nosso canal no Youtube!

Nossos Parceiros

Méthodo Gestão Educacional
ASC Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Condomínio em Foco
Crimes & Acidentes
Grupo Titanium
Lordello Consultoria
ATS Terceirização
Protecães
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Pro Security
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Life Condomínios
Seguridade
Grupo Vip
JSEG Vigilância
Leão Serviços
NR Service
Grupo Padrão
QAP Segurança
Porto Service
Grupo GP
Avitran
Full
Good Clean
FL Terceirização
Comunicação Juridica
Wall Service
Terras de Gênova
Top Clean

Quem está On-line

Nós temos 3 visitantes online
Por que o legislador é tão benevolente com os homicidas? Email
O Código Penal Brasileiro foi criado através de Decreto-Lei, pelo Presidente Getúlio Vargas, em Dez/1940. Ao condenado por crime de homicídio, capitulado no art. 121, estabeleceu como pena máxima 30 anos de prisão. O legislador, naquela oportunidade, foi bastante rígido com quem tirasse a vida de outra pessoa, levando-se em consideração que o máximo da pena correspondia a cerca de 70% da expectativa de vida do brasileiro, que era de 42 anos. No final de 2012, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revelou que a esperança de vida passou para 74 anos. Se utilizarmos a mesma proporção desenhada por aqueles que redigiram a Lei Penal, o delito de homicídio, atualmente, deveria ter como pena máxima 52 anos de reclusão. No entanto, congressistas e o executivo federal, "esqueceram" de atualizar as penas de todos os crimes, que, salvo raríssimas exceções, permaneceram imutáveis. Nosso Código Penal completou 73 anos de existência; no decorrer dos anos, os legisladores que se sucederam, mostraram-se, por paradoxal que seja, cada vez mais benevolentes para com os criminosos, estabelendo dispositivos legais que amenizam o já pouco rigor que nossas leis penais preveem atualmente. Aos olhos da sociedade, aparenta que se recompensa os marginais pelo aumento da agressividade e letalidade dos mesmos; tanto é verdade, que temos uma das maiores taxas de homicídios do mundo, e mesmo assim, somos indulgentes e omissos quanto aos que desafiam a sociedade e perpetram a bárbarie da violência de nossos dias. Você sabia que o Brasil é palco de 10% de todas as mortes dolosas do planeta? Dados do IBGE apontam que 2.000.000 de brasileiros morreram vítimas de homicídios dolosos e culposos (trânsito) entre 1980 e 2000! Nossa taxa de mortalidade criminal é de 26,2 mortes para grupo de 100 mil habitantes; superior a de países que vivem conflitos armados; como o Afeganistão e a Somália. Uma pessoa é assassinada no Brasil a cada 9 minutos e 48 segundos. No Japão, uma pessoa é morta a cada 813 minutos, e mesmo assim, o legislador japonês prevê pena de morte, bem como os EUA, Cuba, China, Coréia, Arábia Saudita, Índia, Jamaica, Egito e tantos outros. Ocupamos a 20ª posição no ranking mundial da violência; devemos fechar o ano com mais de 55 mil homicídios dolosos! Países considerados de primeiro mundo, como: Inglaterra, Noruega, Alemanha, França, Itália, Canadá, Suíça, Suécia, Dinamarca, Austrália, Grécia, Holanda, entre outros, optaram pela prisão perpétua, principalmente para homicidas. O pintor Leonardo da Vinci retratou em uma singela frase uma das origens da “banalização da violência, que bem cabe ao Brasil: "Aquele que não pune o mal, ordena que ele seja feito". 
 
Image 
 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement