Página Inicial arrow Legislação arrow A legalização da mentira pelo Direito Penal Brasileiro
Quinta-feira - 21 de Outubro de 2021

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase8.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Siga-nos no Twitter!
Conecte-se ao Facebook!

Nossos Parceiros

Terras de Gênova
Crimes & Acidentes
Condomínio em Foco
Porto Service
Comunicação Juridica
NR Service
Seguridade
Good Clean
Grupo Vip
Life Condomínios
Grupo Padrão
Grupo Titanium
Lordello Consultoria
Leão Serviços
Pro Security
Avitran
Grupo GP
FL Terceirização
Full
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Top Clean
Protecães
QAP Segurança
ATS Terceirização
Wall Service
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
JSEG Vigilância
Associação Nacional de Agentes de Segurança
ASC Service
Méthodo Gestão Educacional

Quem está On-line

A legalização da mentira pelo Direito Penal Brasileiro Email

No início de março/2013, o Deputado Estadual Steve Katz, de Nova York/EUA, foi parado por uma viatura da polícia, em razão de excesso de velocidade. Ao se aproximar, o policial sentiu cheiro forte, parecido com maconha, oriundo de dentro do automóvel, e perguntou: “O senhor estava consumindo drogas?” A resposta do político foi curta: “Sim”. O agente da polícia replicou: “O senhor porta maconha dentro do carro?” O deputado respondeu novamente de forma monossilábica: “Sim”. O policial continuou a perguntar: “O senhor ainda tem erva consigo?” O condutor manteve-se em silêncio e, envergonhado, entregou pequena bolsa de plástico, contendo maconha para uso próprio. O político foi autuado em flagrante pelo delito de posse ilegal de drogas e intimado a comparecer perante a Corte em duas semanas, para ser julgado pela justiça local. A tônica nos EUA é a “confissão” de crime pelo simples fato que a legislação penal pune a mentira com pena altíssima. A lógica é simples: faltar com a verdade para a polícia ou justiça, gera o cometimento de outro tipo penal, geralmente, mais grave que a conduta delitiva anteriormente praticada. No Brasil, estimulamos procedimento completamente diferente, na medida em que toleramos a mentira, que é fartamente usada como meio de defesa. É nítido no direito penal brasileiro, a preocupação com formalidades legais, prazos, carimbos infindáveis, recursos em diversas esferas, que acabam se tornando ferramentas para advogados de réus pleitearem anulação de processos ou prescrição. O interesse com “firulas jurídicas” é mais importante do que se a verdade está sendo respeitada ou não. Entendo, piamente, que o princípio da ampla defesa é por demais exagerado no Brasil, levando-se em consideração que acusados de crimes são brindados com possibilidade de mentir sem serem apenados. Assim, o “jeitinho brasileiro” se faz presente na medida em que se a verdade não é a tônica, então viva a mentira! Qual seria o comportamento de motorista em nosso país, dirigindo em velocidade acima do permitido e fazendo uso de maconha, ao perceber aproximação de viatura policial, com sirene ligada, determinando imediata parada? O infrator iria acelerar ainda mais o veículo, com o intuito de se desvenciliar da droga sem que o policial notasse. Ao ser abordado, pediria desculpas e alegaria que não parou antes pois não tinha percebido a presença do carro de polícia. Negaria, veementemente, que estivesse em velocidade maior que a permitida, e se indagado sobre o forte cheiro de maconha, reagiria à acusação: “Você pode provar o que está falando? Não admito esse tipo de suspeita, não sou usuário de drogas. Não estou sentindo cheiro algum; você esta redondamente equivocado. Se continuar com esse tipo de calúnia, chamo meu advogado e te processo”.

Dr. Jorge Lordello

 

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement