Página Inicial arrow Legislação arrow Dirigir + Usar Celular + Matar= Homicídio Doloso Ou Culposo?
Domingo - 05 de Abril de 2020

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase1.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Visite nosso canal no Youtube!
Siga-nos no Twitter!

Nossos Parceiros

Grupo Titanium
Grupo Vip
Grupo GP
Condomínio em Foco
Avitran
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Protecães
Porto Service
Lordello Consultoria
Full
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Good Clean
Wall Service
Grupo Padrão
Pro Security
Leão Serviços
JSEG Vigilância
Seguridade
QAP Segurança
ASC Service
Crimes & Acidentes
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Comunicação Juridica
Méthodo Gestão Educacional
ATS Terceirização
NR Service
Terras de Gênova
Top Clean
FL Terceirização
Life Condomínios

Quem está On-line

Dirigir + Usar Celular + Matar= Homicídio Doloso Ou Culposo? Email

Após trabalhar e estudar leis penais em nosso país por mais de 25 anos, a impressão que tenho é que “é proibido proibir”. Sempre se tem uma desculpa ou justificativa para abrandar a pena. É a cultura da segunda, terceira ou quarta chance para aquele que insiste em cometer delitos. Matou por que ela o traiu. Ele rouba mas faz, são alguns dos jargões que servem para minimizar a culpa de pessoas suspeitas de atos criminosos. O exemplo mais claro, é o motorista que ingere bebida alcoólica, à vontade, e depois, mesmo sabendo que não está em condições normais de dirigir, insiste em pegar o veículo e acaba matando pedestre. Para piorar a situação, ele foge para não ser identificado como autor. Se alguém anotou a placa e é descoberto ou se é detido pela polícia após perseguição, surge a primeira colocação, que já virou moda: “Não parei para socorrer a vítima pois populares queriam me linchar”. O curioso, é que se "esqueceu" de ligar para o 190 e também não se apresentou à delegacia mais próxima. Em seguida, joga-se a responsabilidade para a vítima: “Não pude fazer nada, a idosa atravessou fora da faixa de pedestres”. Por último, temos a discussão se o condutor deve responder por homicídio doloso ou culposo. O chamado dolo eventual ocorre quando o agente, mesmo não desejando o resultado, assume o risco de produzi-lo. Mas a maioria dos magistrados não pensa assim; assassinos respondem apenas por terem agido com imprudência, imperícia ou negligência, por isso não chegam a cumprir pena na cadeia. No Pará, motorista dirigia automóvel e falava ao celular. Distraído, atropelou pedestre, que morreu no local. O juiz criminal o condenou por homicídio culposo, com pena brandíssima. O promotor recorreu ao Tribunal Federal Regional, e o juiz-relator, Fernando Tourinho Neto, manifestou-se, dizendo que quem guia falando ao telefone "demonstra o risco assumido de produzir o resultado da morte da vítima”. Todos os desembargadores da 3.ª Turma do TRF seguiram seu voto, entenderam que era caso de homicídio doloso. O processo foi encaminhado para apreciação do Superior Tribunal de Justiça, em Brasília. Enquanto a discussão jurídica segue acalorada, o motorista que atropelou e matou, segue dirigindo tranquilamente, e não duvido que continue falando ao celular. Já os familiares da vítima, continuam a chorar a perda do ente querido e sentindo na pele o peso da impunidade brasileira.

 

Dr. Jorge Lordello

 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement