Página Inicial arrow Dicas Especiais arrow Você suspeita que está sendo traído(a)?
Domingo - 05 de Abril de 2020

Segurança da Mulher

Assédio Sexual
Dicas Especiais

Segurança no Trabalho

Incêndio

Segurança da Informação

Espionagem Industrial

Frases do Dr. Lordello

frase4.png

Enquete

Quais as razões para o aumento da criminalidade?
 

Cadastre-se no Portal

Cadastre-se no Portal e receba nossos informativos periodicamente, além de concorrer a livros e convites para palestras.

:




Redes Sociais

Conecte-se ao Facebook!
Visite nosso canal no Youtube!

Nossos Parceiros

Pro Security
Leão Serviços
Comunicação Juridica
Méthodo Gestão Educacional
ATS Terceirização
NR Service
Terras de Gênova
Top Clean
FL Terceirização
Life Condomínios
Full
Grupo Titanium
Grupo Vip
Grupo GP
Condomínio em Foco
Avitran
Associação Nacional de Agentes de Segurança
Protecães
Porto Service
Lordello Consultoria
Ganhe mais visibilidade. Anuncie aqui!
Good Clean
JSEG Vigilância
Seguridade
QAP Segurança
ASC Service
Crimes & Acidentes
Método Lordello de Treinamento em Segurança
Wall Service
Grupo Padrão

Quem está On-line

Nós temos 1 visitante online
Você suspeita que está sendo traído(a)? Email

Durante o namoro e noivado, o ciúmes por parte de Jonas era grande; apesar de ele não admitir. Com o casamento, acreditava que a plena confiança seria a tônica. Por outro lado, a esposa nunca deu motivos para que tivesse qualquer tipo de dúvida, muito pelo contrário, sempre se mostrou amorosa e companheira. Certo dia, incomodado pelo diabinho que o atormentava, telefonou para a residência do casal... o telefone tocou, tocou, tocou...e ninguém atendeu. Incontinenti, ligou para o celular da mulher, e o resultado não podia ser sido pior: caixa postal. “Ela desligou o celular de propósito, deve estar com outro”, pensou o angustiado Jonas. Com os nervos à flor da pele, abandonou o emprego e começou a circular com o carro à procura da esposa. Após 2 horas, resolveu ir para casa e ficou surpreso, pois o carro dela estava na garagem. Ao entrar, silenciosamente, não a encontra na sala e nem na cozinha, mas, de repente, ouve barulho das molas da cama do casal. Completamente desorientado, pega o revólver que costumava guardar em uma caixa no banheiro. Coloca a arma na cintura e sobe os degraus de maneira lenta, até se aproximar da porta do quarto, quando observa a esposa trocando o lençol. Mesmo assim, Jonas não se conteve e gritou: “Por que você desligou o celular?” A moça, com os olhos arregalados, sem entender bem o que estava acontecendo, caminhou até a penteadeira, pegou o aparelho e percebeu que a bateria havia acabado. O marido novamente bradou: “Liguei para casa também, várias vezes, e você não estava...aonde foi?” A esposa respondeu secamente e com a cara amarrada: “Não sai em momento algum. Estamos sem empregada, já esqueceu? Passei o dia limpando a casa”. Mas a gritaria continuou: “Se estava em casa, por que não atendeu o telefone? Será que estava com outro na nossa cama?“. A esposa começou a chorar, disse que não ouviu o fone fixo tocar e se trancou no quarto de hóspede. Jonas danificou alguns objetos, e para não fazer bobagem ainda maior, voltou para o serviço. No caminho, muitas coisas passaram por sua cabeça, desde separação, suicídio e até em matar a mulher amada. Após algumas horas, o telefone toca, Jonas percebe que é uma ligação privada, mas mesmo assim atende aos berros: “Quem é!”. Um homem diz calmamente: “Desculpe o incômodo, notei pelo identificador de chamadas que ligaram de seu número para o meu fone fixo, mais de 20 vezes, o senhor deseja alguma coisa”. Foi nesse instante que Jonas percebeu que ao ligar nervoso para sua casa, trocara, sem querer, o último número, caindo, assim, a ligação na residência daquele desconhecido. Encabulado, pediu desculpas e refletiu: “Como vou me retratar pela desconfiança e baixaria que fiz com minha esposa?” Passou na floricultura, comprou lindo buquê de flores, adquiriu ainda caixa de bombons finos e uma garrafa de champanhe francesa. Ao se aproximar do lar, notou que o veículo dela não estava na garagem. Encima da cama do casal encontrou breve bilhete: “Você não está preparado emocionalmente para ter um relacionamento sadio. Amei voce, fui fiel, me dediquei ao máximo para o casamento dar certo, mas não vou suportar mais suas ofensas e acusações de infidelidade. Ainda bem que não tivemos filhos! Fui para a casa de meus pais. Não me procure! Você receberá telefonema de meu advogado para saber se deseja separação amigável ou litigiosa”.

Dr. Jorge Lordello
 

< Anterior   Próximo >
 AdvertisementAdvertisement